Hannibal Hanschke/Reuters
Hannibal Hanschke/Reuters

Dirigente do Hamburgo descarta liberação de Walace para o Flamengo

Rubro-negro queria contar com volante até o fim do ano, por empréstimo, mas clube alemão só aceitava liberar até o meio de 2018

Estadão Conteúdo

17 Janeiro 2018 | 17h26

O Hamburgo frustrou mais uma vez os planos do Flamengo de contar com o volante Walace, e, desta vez, parece ter sido definitivo. Nesta quarta-feira, a diretoria do clube alemão descartou a possibilidade de liberar o jogador para acertar com o time carioca.

+ Com titulares voltando das férias, Flamengo estreia com jovens no Carioca

+ Varejão acerta com Flamengo e volta ao Brasil após 13 temporadas na NBA

"Não vamos liberar o Walace para o Flamengo", anunciou o diretor esportivo do Hamburgo, Jens Todt, à imprensa alemã. A declaração surpreendeu porque as notícias nos últimos dias davam conta de que o clube brasileiro havia avançado nas tratativas para se reforçar com o volante.

De acordo com jornais alemães, o Hamburgo já havia cedido à possibilidade de negociar Walace por empréstimo - inicialmente, só aceitava vendê-lo por 9,2 milhões de euros -, mas, então, os clubes discordaram em relação ao tempo de contrato. Os alemães estariam dispostos a liberar o jogador somente até o meio do ano, enquanto o Flamengo o queria pelo menos até dezembro.

Por isso, ao menos momentaneamente, as negociações entre as partes estão encerradas, e frustraram Walace, que já havia manifestado à diretoria do Hamburgo o desejo de deixar o clube. "Obviamente, o jogador está extremamente desapontado", admitiu Jens Todt.

Sem novas ofertas concretas, o Hamburgo deve manter Walace no elenco. Ele desfalcou o time na derrota de sábado, para o Augsburg, por não estar "nas melhores condições físicas e mentais", conforme indicou o técnico Markus Gisdol na época. "Agora, acreditamos que ele vá ficar conosco", afirmou Todt.

Mais conteúdo sobre:
futebol Hamburgo [Alemanha] Flamengo Walace

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.