Dirigente do Milan acha impossível contratar Ronaldinho

Apesar de já ter declarado inúmeras vezes que deseja contar com Ronaldinho Gaúcho, o vice-presidente do Milan, Adriano Galliani, declarou na noite de segunda-feira que acha "impossível" tirar o meia-atacante brasileiro do Barcelona. Os dirigentes do clube italiano já chegaram a fazer reuniões com o empresário e irmão do atleta, Roberto Assis - ele também cuida da carreira do atacante Ricardo Oliveira -, mas sem obter sucesso."Não sou otimista sobre a contratação de Ronaldinho, apesar de o jogador saber do nosso interesse, assim como o Barcelona. Só que eu penso que um clube rico e poderoso como o Barcelona não vendará Ronaldinho", disse Galliani à TV italiana Sky. "Se eles aceitassem, nós estaríamos na ´pole position´ [para contratar o craque]", acrescentou o dirigente, que está com o time em Glasgow, na Escócia, para o confronto com o Celtic, pelas oitavas-de-final da Liga dos Campeões da Europa.O dirigente do clube milanês ressaltou que mantém uma relação de respeito com o Barcelona. A declaração serve para cutucar o rival do time catalão, o Real Madrid, que vive declarando o desejo de contar com o meia brasileiro Kaká, que deixou o São Paulo na temporada 2003/04 para defender os italianos. Mas vale lembrar que recentemente o Milan fechou com o atacante Ronaldo, que estava afastado na equipe da capital espanhola."Não fechamos com o Ronaldo às cegas, foi um pedido [da comissão técnica] que conseguimos obter sucesso. A batalha [a negociação pelo jogador durou cerca de um mês] com o Real Madrid aconteceu porque tivemos dificuldades de conseguir a revisão médica do jogador antes de fechar qualquer tipo de contrato", disse Galliani, que também comentou sobre o futuro do treinador Carlo Ancelotti."Dependerá dos resultados. É normal, essa é a vida dos treinadores. Carlo foi bem nesses anos e tem contrato até o ano que vem. Me dou muito bem com ele, seria o homem mais feliz do mundo se ele continuasse por muitos anos conosco. Isso significaria que tivemos bons resultados", analisou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.