Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE
Giuliano Gomes
Giuliano Gomes

Dirigente do Palmeiras chama árbitro de covarde e CBF rebate

'No momento que precisou de pulso, ele se ausentou', afirma 

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

19 de novembro de 2015 | 00h04

O Palmeiras deixou o gramado da Arena da Baixada revoltado com a atuação do árbitro Dewson Fernando Freitas da Silva. Segundo o gerente de futebol do clube, Cícero Souza, o juiz foi covarde e refletiu o que é o  presidente da Comissão da Arbitragem da CBF, Sérgio Corrêa.

“Falo em nome do futebol brasileiro e em nome do Palmeiras. Faço um desafio à comissão de arbitragem, ao Sérgio Correa. O senhor Dewson representa muito o Sergio. No momento em que precisou de pulso, ele se ausentou. Essa covardia vem de cima. Quem o Sergio responda duas perguntas: Se a bola foi cobrada no local correto e por que a bola cobrada pelo Palmeiras não foi permitida”, questionou o dirigente palmeirense.

Cícero continuou as críticas. “O Palmeiras se sente um pouco prejudicado, mas não responsabiliza a arbitragem pelo resultado do jogo. Amanhã, isso vai acontecer com outra equipe. As pessoas que precisam responder o que acontece, não respondem. Falta coragem para buscarmos uma recuperação”, disparou.

Em entrevista à Rádio Globo, Sérgio Correa rebateu as declarações. “A bola estava atrás de onde deveria estar. Caberia alguém marcar a posição para evitar a cobrança rápida, algo que é comum de se ver, pois os treinadores têm essa preocupação. Quanto ao lance da falta para o Palmeiras, o jogador do Atlético protege a bola, fica na frente, enquanto o árbitro se posiciona para marcar a barreira. O jogador do Palmeiras chuta a bola em cima do jogador do Atlético, com a nítida intenção de conseguir um cartão amarelo. São lances totalmente diferentes”, disse Correa.

 

O chefe da arbitragem ainda comentou sobre o fato de ter sido chamado de covarde. “Não conheço o senhor Cícero, só de nome, mas não preciso medir forças com ninguém. Acredito que tenha sido uma força de expressão que ele usou. Não vou ficar comentando partidas de futebol e só falarei quando julgar necessário”, explicou.

Correa ainda ironizou a reclamação dos palmeirenses e lembrou que recentemente o Palmeiras acabou sendo o beneficiado. “É normal debitarem os gols sofridos a arbitragem. Vimos isso no Fluminense e Palmeiras. A gente entende o momento de cada equipe”, minimizou.


Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.