Lavandeira Jr/EFE
Lavandeira Jr/EFE

Dirigente mexicano crê em vitória sobre o Brasil: 'Viemos jogar 7 partidas'

Confiante, Gerardo Torrado participou de três Copas do Mundo, entre 2002 e 2010, e em todas perdeu nas oitavas de final

Estadão Conteúdo

29 Junho 2018 | 08h46

Diretor esportivo da seleção mexicana, Gerardo Torrado afirmou que não está nos planos da delegação voltar para casa antes do fim da Copa do Mundo. Nesta segunda-feira, às 11 horas (de Brasília), em Samara, o México vai enfrentar o Brasil pelas oitavas de final do torneio.

+ Casos de violência ocorridos durante a Copa não preocupam, segundo dirigentes

+ Capitão do México provoca Neymar e alerta árbitros: 'Se atira muitíssimo'

+ Copa já teve 2,7 mil testes de doping e nenhum caso positivo, diz a Fifa

"É possível vencer se trabalharmos bem. Nosso objetivo é disputar sete partidas, acreditamos nisso e estamos tranquilos para nos preparar para o jogo", disse Torrado em coletiva de imprensa nesta sexta-feira, Novogorsk.

O ex-jogador fazia parte do elenco do México campeão da Copa das Confederações de 1999, que venceu o Brasil na final, por 4 a 3. "Eu era muito jovem e senti uma grande alegria pelos jogadores que disputaram aquele confronto. São seleções totalmente diferentes. Essas partidas você tem de jogar com grande concentração, focando no melhor de cada um", disse Torrado, reserva não utilizado na vitória mexicana no duelo disputado em 1999, na Cidade do México.

Torrado participou de três Copas do Mundo, entre 2002 e 2010, e em todas perdeu nas oitavas de final. A seleção mexicana caiu na primeira partida eliminatória em todos os seis Mundiais disputados desde 1994, mas o dirigente acredita que a atual equipe pode fazer diferente.

 

"Essa de agora tem mais união e uma mentalidade de romper barreiras. Percebo por estar por perto que eles irradiam emoção para disputar essa partida. Nada é impossível, depende de acreditar. Nossa seleção é capaz de jogar de igual para igual contra qualquer uma", afirmou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.