Dirigente minimiza crise no Corinthians, mas cobra Leão

O empate diante do Pirambu por 1 a 1, pela primeira rodada da Copa do Brasil, parece que não tirou o prestígio de Emerson Leão no Corinthians. Isso porque o diretor de Futebol do clube do Parque São Jorge, Edvar Simões, declarou que o treinador seguirá seu trabalho, mas fez a ressalva de que quer resultados positivos imediatamente. Somando a isso, o dirigente negou que haja uma crise e revelou que pretende contratar mais reforços nas próximas semanas - a chegada de um zagueiro é prioridade."O Leão é nosso contratualmente, por enquanto não tem nada a ver. Não vejo o Leão balançado no cargo, são resultados naturais", disse Simões após o desembarque da delegação corintiana no Aeroporto de Cumbica, na noite desta quinta-feira. "A equipe está em formação e alguns atletas estão chegando agora. Ainda vamos trazer mais reforços para fechar o grupo. A nossa comissão técnica precisa ver o que é necessário para ajustar o time. Temos pressa para contratar, pois as inscrições no [Campeonato]Paulista irão se encerrar na próxima semana."Apesar do clima amistoso, o diretor cobrou uma melhoria no Estadual - o Corinthians ocupa apenas a oitava colocação - e a vaga na segunda rodada da Copa do Brasil - o segundo jogo com os sergipanos acontece no dia 1º de março, no Pacaembu. "Realmente não estou satisfeito com esse resultado [empate contra o Pirambu], nem como gerente e nem como torcedor. Mas é bom lembrar que as grandes conquistas surgem após as dificuldades", discursou.Já o meia Roger, que completou 100 jogos com a camisa corintiana na última quarta, disse que os jogadores estão preparados para as cobranças e também minimizou o empate diante do modesto Pirambu. "O resultado não é tão ruim como estão dizendo. Se o Corinthians conseguir uma seqüência de vitórias, essa história de crise vai acabar e vamos engrenar mais uma vez. Já passei por situações piores no clube e vamos reverter isso." O atacante Nilmar seguiu o discurso do colega. "Estão falando que o Corinthians fez fiasco lá em Sergipe. Fiasco vai ser se nós perdermos em casa e sermos eliminados", disse o camisa 9, que ainda sente a falta de ritmo de jogo após sete meses parado devido a uma operação no joelho direito. "Estou preparado paras as cobranças, estou um pouco ansioso para marcar, mas quando sair o primeiro gol isso acaba."SustoAutor dos dois gols no empate em Aracaju - um contra e outro a favor -, o zagueiro Gustavo tomou um susto ao deixar a sala de embarque do Aeroporto de Cumbica e ser cercado por alguns torcedores. Ao invés de receber criticas, como imaginava que iria acontecer, foi assediado para dar autógrafos e tirar fotos."Tomo mundo falou só do gol contra, mas ninguém falou que compensei depois. O reconhecimento veio aqui", desabafou o defensor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.