Dirigente minimiza sugestão de boicote à Copa de 2018

Presidente da Ucrânia pediu a aliados para que boicotem evento

DMITRIY ROGOVITSKIY, REUTERS

16 Março 2015 | 12h26

O presidente honorário da União Russa de Futebol e ex-vice-presidente da Fifa, Vyacheslav Koloskov, disse à Reuters nesta segunda-feira que tentativas de desfazer o evento vão fracassar, minimizando sugestões do presidente ucraniano, Petro Poroshenko, que pediu a aliados para boicotarem o evento.

"Em termos de um boicote, infelizmente Poroshenko não é a primeira pessoa a falar sobre isso", disse Koloskov à Reuters por telefone. "Joseph Blatter geralmente diz que política é política e futebol é futebol. É claro que ele não vai deixar que um boicote aconteça. Na Ucrânia eles não sabem mais o que tentam alcançar. Primeiro uma coisa, depois outra, então uma terceira...", disse Koloskov.

O dirigente também citou as sugestões de boicote à Olimpíada de Inverno do ano passado em Sochi, quando algumas pessoas contestaram as leis russas antipropaganda gay. A Fifa não respondeu de imediato a um pedido de comentário, embora o presidente da entidade, Joseph Blatter, tenha dito em setembro que "um boicote no esporte nunca teve benefício".

Blatter também disse que Rússia e Ucrânia podem ser colocadas em grupos diferentes na Copa de 2018 caso os ucranianos se classifiquem e as relações entre os dois países não melhorem até lá. Poroshenko usou as redes sociais para se expressar, postando em sua conta pessoal do Twitter: "Enquanto houver forças russas na Ucrânia, acredito que sediar a Copa do Mundo naquele país (Rússia) não é possível".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.