Dirigente russo cobra Capello e estipula semifinal como objetivo para 2018

País-sede, a Rússia tem um objetivo audacioso para a Copa do Mundo de 2018. Nesta segunda-feira, o técnico da seleção, o italiano Fabio Capello, ouviu de um dos principais dirigentes do futebol local que o plano é levar a seleção pelo menos até as semifinais to torneio.

Estadão Conteúdo

25 de maio de 2015 | 15h54

O ex-primeiro-ministro russo, Sergei Stepashin, atualmente homem forte da União Russa de Futebol, revelou que deixou claro ao treinador as expectativas do país. A pressão cresceu depois que a Rússia acabou eliminada precocemente da Copa do Mundo do Brasil, ano passado, ao cair ainda na fase de grupos.

"Se o país-sede de uma Copa do Mundo não chega às semifinais, fracassou", explicou o dirigente russo. Stepashin participa de uma junta da União Russa que vai definir no domingo se o presidente da entidade, Nikolai Tolstykh, será removido do cargo.

Entre as principais críticas a Tolstykh está justamente a aposta em Capello. O italiano assinou em janeiro de 2014 a renovação de seu contrato para receber 7,7 milhões (cerca de R$ 24 milhões) de dólares por ano. A insistência se mostrou cara demais, uma vez que a Rússia decepcionou no Brasil e caiu após ficar em terceiro no Grupo H, que tinha ainda Argélia, Bélgica e Coreia do Sul.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolseleção russaFabio Capello

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.