Dirigentes gremistas pedem vitória fora e 'indignação'

O Grêmio amargou na última quarta-feira à noite, na Vila Belmiro, mais uma derrota fora de casa no Campeonato Brasileiro, desta vez para o Santos, por 1 a 0. Dono do melhor aproveitamento como mandante no torneio até aqui, com oito vitórias e dois empates, o time contabiliza dois empates e oito derrotas em dez confrontos disputados longe do Estádio Olímpico.

AE, Agencia Estado

20 de agosto de 2009 | 09h25

"Temos tempo suficiente, mas não podemos mais perder tempo e temos que começar a vencer fora de casa. A gente está consciente que é preciso vencer fora de casa, mas, quando ganharmos a primeira, o encanto se desfaz e vamos voltar a vencer naturalmente", disse o presidente do Grêmio,Duda Kroeff, depois do confronto na Vila Belmiro.

Ao mesmo tempo, o dirigente Kroeff ainda ressaltou a importância de o time não deixar a parte psicológica ser afetada pelas derrotas fora de Porto Alegre. "Não podemos fazer disso um trauma porque o Grêmio não está jogando mal fora de casa. Temos pouca agressividade [fora] e temos que descobrir porque isso acontece", ressaltou.

Já o assessor do departamento de futebol do Grêmio, Luiz Onofre Meira, foi mais duro ao dizer que os jogadores da equipe precisam mudar a postura nos jogos fora de casa. "Já chegou no limite e quando chega nessa situação é preciso ter a indignação. Temos que ter atitude, o jogador tem que ter indignação. Com isso ele vai buscar a atitude pra reverter a situação. Só temos nove jogos fora de casa e precisamos começar a pontuar", disse Meira.

Meira ainda revelou que o clube está atrás de reforços para a sequência do Brasileirão. "Queremos buscar um lateral-direito de origem, mas o Mario Fernandes está desempenhando bem a função. Essa é a menor das carências, mas ainda precisamos de mais um atacante e um armador. Além da atitude, que precisa ser a mesma fora e dentro de casa", voltou a reforçar Meira.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCampeonato BrasileiroGrêmio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.