AE
AE

DIS vê chance de Ganso deixar o Santos

Empresários da DIS dão de ombro para destempero do presidente Luis Alvaro, que detonou até o atleta

Daniel Batista, estadão.com.br

24 de dezembro de 2011 | 11h53

SÃO PAULO - A guerra entre DIS e Santos está mais intensa do que nunca. O fato de a empresa ter parte dos direitos econômicos de Neymar e Ganso parece incomodar o presidente Luís Álvaro de Oliveira Ribeiro. Ontem, o dirigente fez duras críticas ao grupo, que ‘comemorou’ o desabafo, por entender que a situação só demonstra a fragilidade do dirigente e facilita a negociação do meia.

Em entrevista à rádio Estadão ESPN, Luís Alvaro se irritou ao ser indagado sobre o fato de Ganso ‘abraçar a ideia’ da DIS e se interessar em vender 10% de seus direitos econômicos para a empresa. “Se o Ganso abraça a ideia, que morram juntos e abraçados”, disparou o dirigente.

A reportagem do estadão.com.br tentou contato com representantes da DIS, que preferiram não se manifestar. Mas o fato é que o grupo de empresários gostou da revolta do presidente santista.

Atualmente, 45% dos direitos de Ganso pertencem ao Santos, 45% são da DIS e 10% do atleta. A parte que pertence a Ganso está sendo vendida para a DIS, que já acertou os valores e na quarta-feira enviou notificação ao Santos, avisando que o clube tem dez dias para cobrir a proposta. Caso não o faça, a empresa será detentora da maior parte dos direitos econômicos do meia.

A comemoração pela entrevista se dá pelo fato de a empresa acreditar que o presidente não está conseguindo lidar bem com a situação e a cada dia cria um novo motivo para o meia deixar o Santos. A ideia da DIS é segurar Ganso no Peixe e vendê-lo após a Libertadores.

Ganso participou ontem de uma partida beneficente em São Bernardo e não quis comentar as declarações de Luís Álvaro porque disse não ter ouvido a entrevista do presidente.

No Japão, o meia afirmou já ter vendido os 10% para a empresa, mas ao chegar ao Brasil mudou o discurso. Luís Álvaro culpa a DIS pela confusão. “Essa foi uma informação plantada por essa gente, que ele tem como procurador. Gente de péssima qualidade, que fica botando coisas na cabeça dele. A obrigação é que o Santos tem que ser notificado e eu vou responder no meu tempo, não pelo calendário dos outros”, disse o presidente.

A notificação já está nas mãos da diretoria alvinegra. O problema é que Luís Álvaro ainda não decidiu o que vai fazer. O Santos precisa se resolver até o próximo dia 30. 

Tudo o que sabemos sobre:
santosGanso

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.