Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians, Markus Schreiber/AP Photo e Cesar Greco/Agência Palmeiras
Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians, Markus Schreiber/AP Photo e Cesar Greco/Agência Palmeiras

Discípulos de Tite, Carille e Roger brigam pelo título no Paulistão

Técnicos dos finalistas Corinthians e Palmeiras aprenderam muito e se espelham no treinador da seleção brasileira

Daniel Batista e Matheus Lara, O Estado de S.Paulo

30 de março de 2018 | 07h00

Fábio Carille, do Corinthians, e Roger Machado, do Palmeiras, têm mais coisas em comum do que fazer parte de uma nova geração de treinadores com futuro promissor e o sonho de conquistar o Paulistão deste ano. Muito do que são hoje, ambos devem aos ensinamentos de Tite.

+ Cássio vê Corinthians mais confiante e destaca na arena

+ Com Borja e Marcos Rocha, Palmeiras treina de olho na final

Tanto o comandante do Corinthians quanto o técnico do Palmeiras admitem com orgulho que se espelham no treinador da seleção brasileira. Apesar de terem trabalhado com dezenas de outros técnicos, Tite é quem parece ter ensinado mais a dupla. Um reflexo do “legado” deixado pelo comandante do Brasil é a organização tática dos dois em seus times. Eles gostam de mais solidez na defesa.

Carille foi auxiliar de Tite no Corinthians. Conviver com ele no dia a dia fez com que pegasse alguns vícios e métodos de seu trabalho. O técnico corintiano muitas vezes dá declarações parecidas com as de seu mentor.

O corintiano não é de fazer mistério com escalação e gosta de comandar “treinos fantasmas” – ensaiar a formação titular sem equipe reserva. “Sou muito parecido com o Tite no lado emocional e mais tranquilo também. É uma pessoa que respeito muito”, disse Carille.

A relação de Roger Machado com Tite teve início nos tempos em que ele era lateral-esquerdo do Grêmio. O treinador já percebia sua personalidade para ser técnico, tanto que, ainda na época de jogador, lhe deu um disquete com um programa de tática para montar treinamentos em 3D. O presente é utilizado como um troféu pelo chefão palmeirense até hoje.

“Gostava de ver a forma como o Tite trabalhava e projetava que, se um dia eu virasse treinador, teria aquelas características em meu trabalho”, explicou o treinador do Palmeiras. 

Tite tinha tanta confiança e orgulho em seu aluno Roger que o indicou para substituí-lo no Corinthians, em 2015, e deu boas referências também ao pessoal do Palmeiras quando o time alviverde decidiu contratá-lo, no fim do ano passado.

Uma outra característica absorvida por eles do trabalho do comandante da seleção e utilizada agora por ambos é explorar ao máximo a parte tática nos treinos. Raramente há atividades recreativas como rachão. Em vez disso, preferem trabalhar as fragilidades de cada setor da equipe nos treinamentos e não têm o menor pudor em poupar seus principais jogadores em caso de desgaste.

Carille e Roger também têm um relacionamento com os atletas quase de pai para filho. Dão bronca quando necessário e passam a mão na cabeça nos momentos complicados. Assim, Tite ganha fãs por onde passa. Seus pupilos tentam o mesmo.

Em paz. Tite não deve ir hoje à Arena Corinthians nem ao Allianz Parque domingo da semana que vem, mas deverá assistir aos jogos finais pela TV, segundo pessoas próximas a ele. 

Na quinta-feira, Carille e Roger foram até a sede da Federação Paulista para uma reunião sobre a decisão do Estadual e mostraram simpatia e cordialidade recíproca. Eles ficaram cerca de 30 minutos conversando e depois foram embora juntos, com o treinador corintiano dando carona ao palmeirense. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.