Discussão entre Arroz e Bilica marca coletivo da Ponte Preta

Comportamento dos jogadores é repreendido pelo técnico Sérgio Guedes; ingressos para semi já são vendidos

Agência Estado,

09 de abril de 2008 | 19h13

Uma discussão entre o lateral-direito Eduardo Arroz e o volante Bilica marcou o primeiro treinamento coletivo da Ponte Preta, nesta quarta-feira, no estádio Moisés Lucarelli. Os jogadores minimizaram o incidente, se desculparam e foram repreendidos pelo técnico Sérgio Guedes. Veja também: Quais times estarão na final do Campeonato Paulista? Os números e destaques dos confrontos das semifinais "Dentro de campo não tem por favor. Acho que eu gritei e ele [Bilica] não gostou", explicou Arroz, justificando que o time reserva tinha uma formação parecida ao Guaratinguetá, adversário na semifinal do Campeonato Paulista, neste sábado, em Campinas. Sérgio Guedes também não levou a discussão muito em conta. "Nós pedimos mais empenho na marcação e os próprios jogadores se cobraram, o que é normal. Mas acho que isso não é efeito de uma semana importante dentro da competição", contou o técnico. Ele tem exigido muita atenção dos seus laterais - Eduardo Arroz e Vicente - e dos dois volantes: Bilica e Deda. Com relação à escalação, as dúvidas ficam para o setor ofensivo. Luís Ricardo e Wanderley, titulares no empate com o Santos, por 2 a 2, foram mantidos. Mas Marcelo Soares e Danilo Neco podem ter chances em outros treinos e até aparecer no jogo. Apesar da choradeira com a elevação dos preços dos ingressos, a procura da torcida no primeiro dia de venda foi positiva. Foram negociados 3.100 bilhetes do total de 14.850. Dois mil foram enviados para a cidade de Guaratinguetá. A arquibancada custa R$ 40 e a meia R$ 20.

Tudo o que sabemos sobre:
Ponte PretaPaulistão A-1

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.