Discussão entre Lulinha e William pode acabar com harmonia

O capitão corintiano reclamou do atacante por ele não ter passado a bola em lances de ataque no clássico

Cosme Rímoli, Jornal da Tarde

03 de março de 2008 | 11h15

Duas situações podem acabar com o clima de harmonia que vivia o Corinthians até antes da derrota por 1 a 0 no clássico contra o Palmeiras: a falta de paciência do time com os erros de Lulinha e as afirmações de Felipe que poderia jogar.Veja também: Palmeiras vence o rival Corinthians e se recupera no Paulistão Apesar de derrota, Mano elogia o time do Corinthians Você acha que Valdívia exagerou na comemoração?"Duas vezes você tinha jogador livre para passar a bola e resolveu chutar. Isso não existe! Vai tomar...", gritou o capitão William ao final do primeiro tempo. "Vai tomar... você", respondeu Lulinha, encarando William. O diálogo aconteceu na entrada do vestiário e foi testemunhado por repórteres de rádio. Durante todo o segundo tempo foi fácil perceber o quanto os demais jogadores passaram a reclamar acintosamente de Lulinha até o clássico acabar. Irritadíssimo, o meia de 17 anos não quis dar entrevistas. Sabia que seria perguntado sobre a discussão com o capitão do time. William, de muita personalidade, tem influência grande sobre todo o grupo corintiano."Eu cobrei o Lulinha como todo mundo cobra um ao outro. O Herrera me cobra, eu cobro o Chicão e assim vai. A intenção de todos é fazer o Corinthians ganhar. Não foi nada demais", desconversou o experiente William. "Não há nada de anormal. Os jogadores precisam se cobrar durante a partida. Está tudo controlado", amenizou Mano Menezes.'JÁ JOGUEI MUITO PIOR'Felipe disse que por ele teria atuado contra o Palmeiras. "Já joguei muito pior do que estou hoje. Já entrei em campo com o dedo quebrado. Acho que poderia atuar. Mas houve uma decisão da comissão técnica e eu tive de respeitá-la. Mas acredito que poderia sim jogar contra o Palmeiras", disse o goleiro à Rádio Bandeirantes, pouco antes do clássico."Olha, o Felipe sofreu uma infiltração no ombro direito no sábado. Era para não estar sentindo desconforto nenhum. Só que ele voltou a reclamar de dores. Então a melhor solução foi não escalá-lo. Sei que ele falou que se sentia bem melhor. Mas eu não poderia arriscar colocá-lo no jogo e depois da primeira defesa eu ser obrigado a fazer uma substituição no início do clássico. Respeito a opinião do Felipe, mas goleiro comigo só joga 100%. Ele terá de estar assim para enfrentar o Guaratinguetá. Se não, joga o Júlio César", justificou-se Mano Menezes.Sobre o futuro do time, Mano acredita que o Corinthians ainda não atingiu o melhor nível, o ponto alto de desempenho. "A equipe reage bem a todos os treinamentos e os tropeços vão acontecer. O mais importante é que notar evolução."REFORÇOSPara encarar o líder Guaratinguetá no próximo domingo, Mano Menezes poderá contar com o retorno de Acosta, Dentinho e Fabinho, que, suspensos, não puderam participar do clássico. A baixa deverá ser o volante Bruno Octávio, que deixou o campo com suspeita de torção no joelho direito, sofrida aos 15 minutos do primeiro tempo. Nesta segunda, ele faz exames.  

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.