Divulgação
Divulgação

Discussão entre Palmeiras e WTorre passa a ter mediadores

Sem acordo, clube e construtora passarão a negociar divergências com a ajuda de terceiros

Daniel Batista , O Estado de S.Paulo

26 de outubro de 2013 | 11h28

SÃO PAULO - O Palmeiras não aceitou a proposta feita pela WTorre, revelada pelo Estado ontem, e a discussão entre clube e construtora ganha mais um capítulo. A partir de agora as reuniões passarão a ser todas mediadas. A decisão partiu da WTorre, que, inclusive, já comunicou ao Palmeiras que já escolheu quem será o seu mediador. Agora o clube vai ter que escolher seu representante e os dois juntos vão eleger um terceiro responsável, que não terá ligação com nenhum dos lados.

Essa decisão é apenas uma forma de fazer os lados entrarem num acordo. O trio vai definir quem tem razão entre 15 e 20 dias. Se mesmo assim ainda continuar a briga, um dos lados tem até 30 de novembro para pedir que a decisão irrevogável fique por conta da Câmara da Fundação Getúlio Vargas de Conciliação e Arbitragem. O que muda na prática é que agora em todas as conversas entre clube e construtora os mediadores estarão presentes. As últimas reuniões só serviram para desgastar a relação dos dois empresários.

A maior discussão se refere ao número de cadeiras que cada um pode comercializar. O Palmeiras diz que a construtora tem direito a vender apenas 10 mil e a WTorre diz que ela é proprietária de 100% dos lugares. Na terça-feira passada, a construtora ofereceu um projeto ao clube onde faria parcerias com o Avanti e que poderia render, no mínimo, R$ 20 milhões para o Palmeiras por temporada. Mas Nobre considerou o valor muito baixo.

 

Tudo o que sabemos sobre:
PalmeirasFutebolWTorreAllianz Parque

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.