Alberto Pizzoli/AFP
Alberto Pizzoli/AFP

Disputa por bilhões de dólares ameaça rachar a Fifa e afetar Copa do Mundo

Projeto de Mundial de Clubes e Liga das Nações bancados por fundos sofre resistência

Jamil Chade, correspondente / Genebra, O Estado de S.Paulo

25 Outubro 2018 | 16h36

A briga pelo controle do futebol mundial ganha contornos inéditos e ameaça colocar até mesmo a organização da Copa do Mundo a cada quatro anos em cheque. Nesta sexta-feira, o presidente da Fifa, Gianni Infantino, pretendia aprovar sua ideia de criação de novos torneios, que poderiam render US$ 25 bilhões aos caixas da entidade, graças a investidores privados. 

Mas um desentendimento entre Uefa, Conmebol, a direção da Fifa e outras delegações pode obrigar o cartola a adiar uma votação e a criação de grupos de trabalho para estudar as propostas. Os europeus, contrários à ideia, ameaçaram abandonar a sala de reuniões se o projeto for adiante. 

Já os fundos de investidores árabes, chineses e americanos que prometeram injetar recursos no projeto alertaram que a reunião desta sexta-feira é o prazo final para que haja um acordo, que vem sendo adiado desde o início do ano. 

Sobre a mesa está a proposta sem precedentes de US$ 25 bilhões para a organização de um Mundial de Clubes e uma Liga das Nações de dimensões globais. Infantino pretendia colocá-los em votação nesta sexta-feira, durante a reunião do Conselho da Fifa em Ruanda. Mas a Uefa promete impedir a criação de um evento que poderá ameaçar a supremacia da Liga dos Campeões. Dos 37 membros do Conselho da Fifa, nove são da Uefa. 

Sobre a mesa, estarão duas propostas. Uma delas prevê um Mundial de Clubes com 24 times, que ocorreria a cada quatro anos, substituindo a Copa das Confederações em meados do ano. Uma segunda proposta é a de manter o atual formato, mas transferir o torneio para o verão europeu. 

No novo torneio, 50% dos clubes viriam da Europa. A Fifa, portanto, precisa do apoio da Uefa para permitir que o projeto se transforme em realidade.

Já a Conmebol também resiste. Para a entidade, não há como ter um Mundial de Clubes em meados do ano, sob o risco de obrigar todo o continente a refazer seu calendário de torneios para se adequar aos europeus. Além disso, a Conmebol ficou irritada com a proposta da Fifa de dar apenas quatro vagas para os clubes da região.

Nesta quinta-feira, um encontro apenas entre os presidentes das seis confederações regionais e Infantino mostrou a dimensão da crise. Ficou estabelecido que, no lugar de uma votação, a Fifa iria criar um grupo de trabalho para estudar o caso até o início de 2019.

Pelo projeto, cada edição do Mundial de Clubes renderia US$ 3 bilhões e seria disputado entre 2021 e 2033. 

Mas, ao deixar o encontro, os dirigentes foram surpreendidos por um alerta dos investidores: não aceitariam mais adiamentos e exigiam uma definição. Infantino, agora, terá de pesar entre convencer os investidores a permanecerem e não abrir uma crise interna, o que colocaria em risco sua reeleição em 2019. 

Copa do Mundo

Quanto à Liga das Nações, a ideia de uma disputa envolvendo países de todo o mundo seria iniciada depois de 2022. Os jogos ocorreriam ao longo do ano, substituindo aos amistosos. Uma vez mais, os europeus se mostraram reticentes. 

Nos bastidores, porém, delegações de diversos países já especulam até mesmo sobre a possibilidade de que, se o projeto for barrado pelos europeus, aceitariam pensar na criação de uma mini-Copa do Mundo a cada dois anos. 

A lógica é de que, abandonando o torneio a cada quatro anos, a Fifa “mataria” o interesse comercial pela Liga das Nações que a Europa acaba de criar. 

Nas últimas semanas, Infantino tentou costurar uma aliança com dirigentes de diferentes regiões para conseguir aprovar o projeto. Numa carta, ele garantiu que os novos torneios não teriam dinheiro de fundos soberanos, uma forma de assegurar que quem estava por trás do projeto não era o regime saudita, uma das suspeitas. 

Infantino, em apenas alguns meses, manteve quatro encontros com lideranças sauditas, interessadas em se transformar em atores de peso no futebol mundial. Mas os escândalos envolvendo a morte de um jornalista crítico de Riad e a pressão por esclarecimentos levou o presidente da Fifa a afirmar que o novo projeto teria apenas recursos privados.

O suíço havia enfurecido os europeus ao propor o novo modelo de torneios com um fundo de investidores que ele se recusaria a revelar os nomes proprietários.

O projeto está sendo considerado como o maior teste para a presidência de Infantino. Se o assunto fosse rejeitado, o suíço estaria recebendo um alerta claro dos demais dirigentes de que seu estilo de governança não satisfaz e que sua reeleição, em 2019, pode ser ameaçada. Ele já deixou claro que quer mais um mandato de quatro anos no comando da Fifa. 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.