Bruno Haddad/Cruzeiro
Bruno Haddad/Cruzeiro

Distante de líderes, Cruzeiro visa reagir no Brasileirão em duelo contra o Grêmio

Maus resultados deixaram a equipe mineira longe das primeiras colocações e de uma possível briga pelo título do torneio

Estadão Conteúdo

22 Agosto 2018 | 08h44

O Cruzeiro vai entrar em campo contra o Grêmio, nesta quarta-feira, às 21h45, em Porto Alegre, pressionado pela sequência de cinco jogos sem vencer no Campeonato Brasileiro. Os maus resultados deixaram a equipe mineira longe das primeiras colocações e de uma possível briga pelo título do torneio.

Passadas as primeiras 19 rodadas da competição, o Cruzeiro somou 26 pontos, 15 a menos do que o São Paulo, que lidera o Brasileirão. Foram três derrotas e dois empates nos últimos cinco jogos, dos quais o técnico Mano Menezes optou por escalar times mistos em quatro deles.

A estratégia de poupar titulares para disputar partidas eliminatórias deu certo, visto que o Cruzeiro se classificou para as semifinais da Copa do Brasil, em confronto contra o Santos, e venceu por 2 a 0 o Flamengo no jogo de ida das oitavas de final da Copa Libertadores, fora de casa.

Mesmo com a equipe principal, porém, o Cruzeiro apenas empatou com o Bahia, por 1 a 1, no Mineirão. No último domingo, o único desfalque do time ideal de Mano Menezes era o meia Arrascaeta, que estará disponível para o duelo contra o Grêmio.

"Será um jogo muito difícil e nós precisamos pontuar. Não sabemos a equipe que entrará em campo ainda, mas temos de encarar o jogo com muita atenção, já que o Grêmio tem um excelente time", disse o uruguaio.

Assim como no último domingo, Raniel será de novo preservado pela comissão técnica, uma vez que o atacante tem histórico de recorrentes lesões musculares. Desta forma, mesmo contestado, Hernán Barcos deve manter a titularidade. Contratado em julho, o argentino fez apenas um gol em oito jogos desde que chegou e perdeu um pênalti, desempenho suficiente para virar alvo de vaias da torcida cruzeirense.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.