Dívida constrange dirigentes do Flamengo

A crise financeira do Flamengo chega a deixar o clube em situações constrangedoras. Para quitar uma dívida de cerca de R$ 12 mil, o Flamengo ofereceu um aquecedor de piscina. Mas a proposta foi rejeitada por unanimidade pela 17ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio. De acordo com o desembargador Raul Celso Lins e Silva, relator do processo, o bem oferecido seria de difícil comercialização. Foi determinada, então, a penhora da renda do jogo com o São Caetano, disputado em julho.O problema do Flamengo começou quando assinou, como fiador de Sérgio Hortelan, o contrato de locação de um apartamento na Barra da Tijuca. O valor inicial do aluguel era de R$ 1,4 mil, mas o locador pagou apenas quatro meses, desocupou o imóvel a entregou as chaves na portaria. O proprietário resolveu cobrar a dívida do clube. Segundo o Flamengo, "o aquecedor está em perfeito estado de funcionamento e custa R$ 9 mil".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.