Evelson de Freitas/Estadão
Evelson de Freitas/Estadão

Dívida do Corinthians salta de 193 milhões para 313,5 milhões

Receitas caíram no período entre 2013 e 2014

GONÇALO JUNIOR, Estadão Conteúdo

30 de abril de 2015 | 14h29

O balanço de 2014 do Corinthians, publicado nesta quinta-feira no jornal O Estado de S.Paulo, comprova o agravamento da crise financeira do clube. A dívida do clube saltou de R$ 193 milhões para R$ 313,5 milhões entre 2013 e 2014. O aumento da dívida é preocupante na comparação com os rendimentos do clube. Em relação à temporada de 2013, a receita do Corinthians caiu 18,29%.

Para Pedro Daniel, gerente da divisão Esportes da consultoria BDO, a dívida pode ser considerada alta. "A dívida é alta principalmente se analisarmos que as receitas tiveram uma queda", afirma o especialista. 

Um dos pontos de maior destaque na demonstração financeira é a queda na arrecadação de bilheteria (R$ 32 milhões em 2013 e R$ 6,9 milhões em 2014). Por outro lado, o alvinegro é líder em público total na Copa Libertadores em 2015 e registra médias superiores a 25 mil pagantes desde a inauguração da Arena Corinthians.

Neste caso, a queda se explica pela engenharia financeira adotada na construção da nova arena. Os recursos arrecadados com a bilheteria vão para um fundo específico para pagamento do empréstimo com o BNDES. De acordo com o balanço, a dívida gira em torno de R$ 396 milhões. "As perspectivas não são animadoras a curto prazo. O Corinthians terá de buscar outras fontes de receita, como patrocínio e os programas de fidelidade", recomenda Pedro Daniel. 

Na carta que precede a divulgação dos números, Mário Gobbi, presidente do Corinthians até o ano passado, justifica a crise com a conjuntura econômica, a não classificação para a Libertadores no ano passado e a destinação da bilheteria para o pagamento do novo estádio. "As dificuldades financeiras não tiram o brilho das nossas conquistas", escreveu Mário Gobbi Filho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.