Do topo ao poço, Botafogo já fala em evitar rebaixamento

'O quanto antes acabarmos com esse risco de rebaixamento, melhor', alerta o técnico botafoguense Cuca

15 de outubro de 2007 | 18h42

O retrato mais fiel do Botafogo nesta temporada mostra uma equipe que vai rapidamente do topo ao poço. No início do ano, o time do técnico Cuca cativou torcedores e críticos com um futebol dinâmico e eficiente, que marcava muitos gols. Vieram os fracassos no Campeonato Carioca - derrotado na final pelo Flamengo - e na Copa do Brasil - eliminado no Maracanã pelo Figueirense, na semifinal - mas o discurso confiante continuava, respaldado pela liderança do Campeonato Brasileiro. Tudo isso parece passado remoto agora. A derrota para o Vasco por 2 a 1, domingo, pelo Brasileiro foi a quinta consecutiva. A crise continua, apesar da recontratação de Cuca, que já fala sobre fugir do rebaixamento à Série B em vez da luta pelas primeiras posições. No 11.º lugar, com 42 pontos, o clube ainda ocupa a área de classificação para a Copa Sul-Americana, mas está a apenas quatro pontos de vantagem do Corinthians que puxa a lista dos que estariam rebaixados. A vaga na Libertadores virou quase um delírio. Situação inimaginável para quem liderou a tabela por 11 rodadas e figurou entre os quatro primeiros durante 24. Hoje, o Botafogo é o time carioca pior classificado no Brasileiro. "Nossa realidade é a parte baixa da tabela. O quanto antes acabarmos com esse risco de rebaixamento, melhor para começarmos a planejar o ano que vem", disse Cuca, que tenta reencontrar o futebol do time até sabado, quando enfrenta o Sport, no Engenhão.  Será uma partida importante, uma vez que o clube pernambucano está na oitava colocação, com um ponto a mais que o alvinegro. Uma vitória seria crucial para aliviar o ambiente entre os jogadores e interromper a queda vertiginosa da classificação.

Tudo o que sabemos sobre:
Botafogo-RJBrasileirão Série A

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.