Documentário discute o futuro do Pacaembu após a inaguração de estádios

Local pode ficar ocioso depois que Corinthians e Palmeiras inaugurarem suas novas 'casas'

O Estado de S. Paulo,

17 de abril de 2013 | 13h21

SÃO PAULO - Com a conclusão dos estádios do Itaquerão, do Corinthians, e da Arena Palestra, do Palmeiras, a população paulistana está em dúvida sobre o destino do Pacaembu. Essa mesma questão inspirou o documentário “Pacaembu – O gigante sem dono”, que será lançando pelo Museu de Imagem e Som de São Paulo no próximo dia 18 de abril, às 20 horas. A entrada é franca.

No próximo dia 27 de abril, terão se passado 73 anos desde a inauguração, em 1940, do Estádio Municipal Paulo Machado de Carvalho, mais conhecido como Pacaembu. Com o intuito de manter viva a história do “gigante”, o documentário aproveita um cenário em que novas e modernas arenas estão sendo construídas no país e busca um olhar mais nostálgico sobre este momento. Um dos atrativos da produção é a discussão sobre qual será o futuro do complexo esportivo do Pacaembu, situação que ainda não foi discutida por nenhum grande veículo de comunicação.

Com depoimentos de 18 entrevistados, que vão de grandes ícones do futebol como, Pelé e Neymar, a funcionários do complexo esportivo, o filme passeia por momentos importantes da trajetória do Pacaembu. As vaias ao então Presidente do Brasil Getúlio Vargas durante a inauguração do estádio e o recente título inédito da Copa Libertadores conquistado pelo Corinthians, são alguns dos destaques.

São 30 minutos de duração – o roteiro é organizado em sete capítulos - que visam apresentar o que é o Pacaembu aos que não o conhecem a fundo, relembrar sua importância aos velhos conhecidos e deixar um intrigante ponto de interrogação na cabeça do espectador sobre o que acontecerá com este patrimônio do esporte brasileiro em um futuro próximo.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolPacaembu

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.