Dodô não aceita reserva e deixa treino

A crise do Santos parece não ter fim. Nesta terça-feira pela manhã, o técnico Geninho teve uma conversa dura de uma hora e meia com os jogadores, em que analisou a postura tática da equipe, mostrou os erros no clássico e, principalmente, anunciou que ia mudar o time. E fez isso à tarde. Ao dividir as equipes, colocou Dodô no time reserva, fato que o jogador não aceitou e deixou o treino. "Ainda tentei falar com ele, mostrar que o caminho não é esse, mas não adiantou", disse o auxiliar-técnico Sérginho, lamentando a atitude do atacante, que será substituído por Rodrigão no jogo de quarta-feira às 20h30, contra o Anapolina, válido pela Copa do Brasil.Dodô deixou o CT Rei Pelé logo depois do começo do coletivo, sem conversar com os jornalistas. Mas o técnico Geninho falou: "ele não se conformou de não ter recebido o colete de titular e deixou o treinamento; como é maior de idade e sabe o que faz, deve estar sabendo também que precisa arcar com a responsabilidade".Geninho não conseguiu levantar o ânimo dos jogadores e o time entra em campo em plena crise. Um grupo de torcedores assistiu o treino na Vila Belmiro, pela manhã, e provocou principalmente o treinador, com frases como "Geninho, põe cinco zagueiros", numa crítica ao esquema adotado pelo técnico, com três homens na zaga. Serginho, ex-jogador e ainda ídolo dos torcedores, teve que interferir também nesse episódio, acalmando os torcedores. "Estamos tristes, mas não em crise", completou o auxiliar-técnico.Mas Geninho não tirou só Dodô do time. Mandou também Galván para o time reserva, recuando Claudiomiro para a zaga. Pela manhã, o treinador já havia anunciado que o zagueiro argentino seria novamente punido com multa por ter dado uma cabeçada em Caio. "Os dois agiram de modo inconveniente, mas houve excesso por parte de Galván, que não se limitou a discutir". O valor da penalidade será revertido para a caixinha dos jogadores e o atleta não seguiu o exemplo de Dodô: aceitou ficar no banco e não reclamou da multa.O treinador esclareceu que fez as mudanças pensando no jogo de domingo contra a Ponte Preta e também na seqüência de três partidas sem vitória. Ele informou que dá prioridade ao Paulista e que vai aproveitar o jogo desta quarta-feira para fazer algumas observações para a próximo jogo. "Um treinador não pode assistir passivamente a isso e tem que buscar o melhor", disse ele, revelando que "o Santos tem dois jogos para apagar esse incêndio que está começando".O Santos pode até perder por 1 a 0 o jogo desta quarta-feira que consegue a vaga para a próxima fase, mas Geninho pretende uma vitória. "Ela é importante nesse momento, embora o time jogue com o regulamento e classificar é a prioridade". Assim, armou um time mais cauteloso, tentando resolver os problemas que tem observado na marcação, além de escalar Rodrigão no comando do ataque. "Pretendo um jogador mais de área para esse jogo", disse ele, preparando a equipe para os contra-ataques.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.