Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Dois técnicos devem começar o Brasileiro sem a licença exigida pela CBF

Apesar de Cuca e Sampaoli não terem o certificado, devem ganhar autorização especial para trabalharem

Redação, O Estado de S.Paulo

21 de fevereiro de 2019 | 12h50

A reunião do Conselho Técnico da CBF, nesta sexta-feira, no Rio, vai começar a definir o regulamento e a tabela do Campeonato Brasileiro, assim como avaliar a situação profissional de dois técnicos da Série A. Cuca, do São Paulo, e Jorge Sampaoli, do Santos, são os únicos treinadores da competição a não terem até o momento as licenças pedidas para exercer o cargo na competição.

A CBF exige que a partir deste ano somente os técnico que tenham licença honorária, Pro ou categoria A podem dirigir uma equipe no Campeonato Brasileiro. Caso os treinadores não se enquadrem em uma destas categorias, será necessário estarem matriculados no curso para a obtenção do certificado. As novas determinações estão no Manual do Licenciamento da CBF, que regula as exigências para os clubes participarem de competições organizadas pela entidade nacional.

Dos 20 times da Série A de 2019, somente São Paulo e Santos não têm no momento técnicos com os certificados emitidos. O argentino Sampaoli, do Santos, tem a licença emitida pela Associação Argentina de Futebol (AFA), que é aceita na Europa, mas não no Brasil. Cuca, recém-contratado pelo São Paulo e que só deve assumir em abril, não realizou as últimas edições dos cursos da CBF por estar em tratamento médico.

Cuca vai iniciar o trabalho no São Paulo em 15 de abril, perto do início do Campeonato Brasileiro. O técnico vai atuar no torneio com uma permissão especial, já que por questões de saúde, não conseguiu fazer as edições anteriores do curso. O treinador vai obter a Licença A na próxima edição do curso a ser ofertada, em dezembro.

A edição atual do curso tem a presença de dois treinadores da Série A: Lisca, do Ceará, e Renato Gaúcho, do Grêmio. Os dois se afastaram temporariamente dos compromissos com suas equipes para comparecerem às aulas, ministradas na Granja Comary, em Teresópolis. No passado, os demais técnicos também realizaram o curso ou no caso dos mais experientes, como Abel Braga e Luiz Felipe Scolari, receberam a licença honorária.

Apesar da obrigatoriedade, o regulamento deste ano da disputa nacional pode apresentar uma brecha para os casos de Cuca e Sampaoli. As diretoria dos seus respectivos clubes não veem problemas no assunto e consideram que ambos poderão trabalhar normalmente.

CUCA

Em dezembro, ele foi submetido em Curitiba a uma angioplastia, intervenção para reparar a artéria comprometida, e também a um cateterismo, para melhorar a circulação do sangue. A previsão de recuperação é de seis meses.

Treinadores da Série A 

Athletico Paranaense - Tiago Nunes - Licença A    

Atlético Mineiro - Levir Culpi - Licença Honorária    

Avaí - Geninho - - Licença Honorária

Bahia - Enderson Moreira - Licença A

Botafogo - Zé Ricardo - Licença Pro

Ceará - Lisca -  Realiza curso para a Licença A

Chapecoense - Claudinei Oliveira - Licença A

Corinthians - Fábio Carille - Licença Pro

Cruzeiro - Mano Menezes - Licença Pro

CSA - Marcelo Cabo - Licença Pro

Flamengo - Abel Braga - Licença Honorária    

Fluminense - Fernando Diniz - Licença A    

Fortaleza - Rogério Ceni - Licença A    

Goiás - Maurício Barbieri - Licença Pro

Grêmio - Renato Gaúcho - Realiza curso para a Licença A

Internacional - Odair Hellmann - Licença Pro    

Palmeiras - Luiz Felipe Scolari - Licença Honorária

Santos - Jorge Sampaoli - Licença AFA (é aceita na Europa)

São Paulo - Cuca - Não tem

Vasco da Gama - Alberto Valentim - Licença A

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.