Dois times na gangorra do Brasileirão

Existe o mito de que o mês de agosto é marcado por tragédias. Mas São Paulo e Palmeiras viveram momentos opostos neste período. O time do Morumbi ratifica a lenda. Depois da brilhante conquista da Taça Libertadores da América, dia 14 de julho, a equipe tricolor caiu de produção e não lembra nem de longe o grupo campeão sul-americano. Em 11 jogos, os comandados do técnico Paulo Autuori perderam seis vezes, duas delas dentro do Morumbi: uma para o São Caetano e outra para o Goiás. A única vitória foi um sofrido 3 a 2 sobre o Fortaleza, com direito a virada. A diretoria são-paulina já encontrou os culpados pela má fase: os árbitros. O superintendente de Futebol, Marco Aurélio Cunha, abriu guerra contra a arbitragem, principalmente após a derrota para o Atlético-PR, por 4 a 2, na Arena da Baixada. "De 10 jogos após a Libertadores, fomos prejudicados em oito", afirmou o dirigente após a derrota no Paraná. Na verdade, o São Paulo, primeiro, demorou para se recuperar da ressaca pela conquista do torneio sul-americano. Depois, sentiu muito a saída do atacante Luizão para o futebol japonês. As escapadas de Lugano e Cicinho - que esta semana anunciou sua ida no ano que vem para o Real Madrid - para conseguir passaporte europeu também mexeram com o clima. Além do momento ruim pelo qual passam alguns jogadores, incluindo o goleiro Rogério Ceni, o maior ídolo da torcida. No Palmeiras, o mês de agosto é marcado "pela volta do respeito e da alegria" como gosta de falar o técnico Emerson Leão. Com a chegada do ex-goleiro, que substituiu Paulo Bonamigo, o time não sabe o que é perder. São dez jogos, com seis vitórias e quatro empates. A equipe pulou da 14ª colocação para o sétimo lugar, quatro pontos apenas atrás do líder e rival Corinthians. "No segundo turno entramos na briga pelo título porque poderemos tirar a diferença no confronto direto", afirmou Leão, que destaca a força do grupo para brigar pelos primeiros lugares. "O Campeonato Brasileiro é muito longo. O time que tiver o elenco mais versátil e forte vai superar os demais. E o Palmeiras já provou que possui um grupo forte." Leão não se cansa de ressaltar que não trabalhou apenas com três jogadores do elenco: o goleiro Marcos, o lateral-direito André Cunha e o zagueiro Gláuber. São Paulo e Palmeiras empataram, por 3 a 3, no primeiro turno. O jogo serviu para confirmar a reação palmeirense e o declínio são-paulino. Os rivais voltam a se enfrentar na 38ª rodada, dia 13 de novembro. Depois deste duelo restarão apenas quatro jogos para o fim do Campeonato Brasileiro. Já poderemos saber quem estará no ponto mais alto da gangorra.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.