Domingos se recusa a defender Fortaleza e irrita Santos

Afastado pelo técnico Vanderlei Luxemburgo por causa de um acidente de trabalho (fraturou a perna do goleiro Rafael em uma dividida), o zagueiro Domingos sofre uma "segunda punição": os dirigentes santistas, irritados com a recusa do zagueiro em jogar pelo Fortaleza, lanterna da Série B do Campeonato Brasileiro, dificultam a sua transferência para o São Caetano.

AE, Agencia Estado

20 de setembro de 2009 | 19h24

Ainda abatido pelos últimos acontecimentos que mudaram a

sua rotina nos últimos dias, ele esclareceu que não é verdade que tenha procurado o São Caetano, clube que já confirmou interesse no atleta. "Não sou eu que não quero o Santos. É o Santos que não me quer. Minha

ideia é atuar pelo São Caetano o restante do ano e em 2010 voltar ao clube, onde jogo há 10 anos, sem nenhuma punição por indisciplina. Amo o Santos", disse o jogador, abrindo o coração, neste domingo à tarde, antes do confronto entre Santos e Botafogo, na Vila Belmiro.

"Não é verdade que eu procurei o São Caetano. Dois empresários me telefonaram para saber se eu queria jogar no São Caetano. Antes de responder, telefonei para o presidente do clube, Nairo Ferreira, que é meu amigo, para saber se era verdade. Ele disse que sim. Então disse para ele conversar com o Santos. Peguei as minhas coisas (estava em Fortaleza) e voltei para casa. Acho que não fiz nada de errado", acrescentou.

Domingos não deu qualquer indício de que optou pelo São Caetano por ser um clube com possibilidade de subir para a Série A do Campeonato Brasileiro, ao contrário do Fortaleza, treinado pelo ex-santista Márcio Fernandes, e

que luta para escapar do rebaixamento à Série C. "Prefiro o São Caetano porque não preciso mudar de cidade e nem tirar meus filhos da escola para atuar menos três meses num novo clube e depois ter que voltar", ponderou.

Até este domingo, Domingos não sabia em que pé estavam as negociações para a sua contratação, por empréstimo de três meses, pelo São Caetano. No fim da semana passada, ele perguntou ao supervisor Luiz Antônio Ruas Cappella se o presidente do São Caetano (Nairo) tinha procurado o

Santos para tratar do assunto. "Ele só me disse que sim."

Neste domingo, o diretor de futebol do Santos, Adilson Durante Filho, afirmou que o clube estuda a proposta do São Caetano. Depois se ser afastado por Luxemburgo, Domingos só não treinou dois dias em razão da viagem a Fortaleza. Diariamente, ele comparece ao CT Rei Pelé às 14h e treina sob a orientação do preparador físico Marco Alejandro para manter a forma.

No sábado, Domingos voltou a falar com Rafael, o goleiro que fraturou a perna direita após entrar em uma dividida com o zagueiro. "Graças a Deus ele disse que não sente mais dores. É um amigo e fala sempre que sabe que eu jogo firme, mas nunca na maldade. O lance? Acabei dando um carrinho e a minha perna pegou a dele. Não gosto nem de lembrar", concluiu Domingos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.