Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Dona da Crefisa aluga casa, aposta em rede social e intensifica campanha no Palmeiras

Leila Pereira ataca em várias frentes e investe alto para ganhar vaga com conselheira do clube

Ciro Campos, O Estado de S. Paulo

07 Fevereiro 2017 | 07h00

Um imóvel na rua Palestra Itália, perto do Allianz Parque, acaba de ser alugado. É nele que a empresária Leila Pereira, dona da Crefisa, vai concentrar ações no sábado, onde no local vai funcionar um comitê de apoio à candidatura dela para a eleição ao Conselho Deliberativo do Palmeiras. A ação é uma das frentes do planejamento dela para intensificar a campanha por votos às vésperas do pleito.

O sonho da empresária e do marido, José Roberto Lamacchia, é de participar mais ativamente da vida política do clube. Os dois têm investido pesado para concretizar o sonho. Na última semana promoveram um jantar para mais de 400 convidados, nos próximos dias devem assinar a renovação de contrato de patrocínio por mais duas temporadas com o Palmeiras e ainda vão realizar outro evento na noite de quinta.

Na ocasião a empresária vai receber o título de Cidadã Paulistana, honraria concedida pela Câmara Municipal. A cerimônia será na sede da Faculdade das Américas (FAM), outra empresa do casal. Os donos vão promover um coquetel de comemoração e convidar amigos, além de conselheiros e sócios do Palmeiras.

A grande agitação será no sábado. Ao longo do dia as urnas no clube estarão abertas para a votação nos novos conselheiros. Leila e o marido montaram do lado de fora, perto da arena, um comitê. A casa alugada já tem o banner e a decoração com mensagens de apoio à candidata. Dentro dela, durante o dia, recepcionistas vão oferecer aos convidados lanches, água e reforçar os recados de apoio.

A candidata também montou um perfil no Instagram para alavancar apoio. O perfil de mais de 6 mil seguidores e pede na descrição para que os internautas usem uma hashtag para promover a campanha.

Mais conteúdo sobre:
Palmeiras Crefisa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.