Ademir Bachi
Ademir Bachi

Dona Ivone, mãe do técnico Tite, aposta em vitória magra na estreia

Segundo ela, primeira Copa do Mundo do filho será assistida 'discretamente'

Luciano Nagel, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

17 Junho 2018 | 05h00

Faltando três dias para a seleção brasileira entrar em campo para enfrentar a Suíça, na estreia da Copa do Mundo, a mãe do técnico Tite, a gaúcha Ivone Mazzochi Bachi, de 82 anos, afirmou a reportagem do Estado, na manhã de quinta-feira, que já tem um palpite para o placar deste primeiro jogo: “será 1 x 0 para o Brasil”, arriscou.

+ Tite começa a Copa do Mundo como candidato a herói nacional

O domingo, desta vez, não será de grandes festas e reuniões com a família em sua residência na cidade de Caxias do Sul, na Serra gaúcha, para assistir aos jogos da Copa do Mundo. Este campeonato, segundo Dona Ivone, será assistido “discretamente”, na companhia de sua cuidadora, uma televisão (ou um radinho de pilha), e talvez com a presença (ainda não confirmada) de seu filho Ademir Bachi e esposa.

 “Às vezes estar no silêncio é melhor do que estar no barulho, né? Mas quem vier da família Mazzochi ou Bachi, todos serão bem-vindos. Estarei esperando sempre de braços aberto, apesar dos Mazzochi serem mais barulhentos”, comparou a querida torcedora aos risos pelo telefone.  

 

Aos 82 anos, Dona Ivone acompanha as notícias de seu filho Tite pela televisão ou rádio. Religiosa, a mãe do técnico da Seleção guarda ao lado sua cama, na cabeceira, um terço com as cores da bandeira do Brasil. O rosário foi um presente que a idosa recebeu da CBF em agosto do ano passado, antes da Seleção Brasileira jogar contra o Equador.

“Hoje fui a duas missas aqui em Caxias, sou muito católica e faço sempre as minhas orações”, disse Dona Ivone, orgulhosa por seu filho estar no comando da Seleção Brasileira.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.