Doni começa a se adaptar ao Santos

Doni está sem tempo para encostar. É a nova fase no Santos. O goleiro evita comparações sobre qualidade, mas admite que o método de trabalho do preparador Pedro Santilli é bem diferente ao de Solitinho, do Corinthians. "O Santilli trabalha bastante com uma coisa que é boa para mim que são as situações de jogo", observa. Doni admite estar incorporando novos hábitos por causa da convivência com o novo preparador. "Todo goleiro tem a mania de sentar ou encostar na trave quando está cansado. Só que aqui quem demora é punido: tem de pagar dez exercícios de braço", revela. Mas ele diz que está se adaptando. "Hoje, apesar de esgotado, estou conseguindo me manter em pé." O goleiro também mostra preocupação em respeitar seus colegas de posição. "Eu prefiro não comentar esse assunto. É complicado falar de si mesmo", argumenta o jogador, ao responder sobre as qualidades que poderiam pesar a seu favor na hora de Leão escolher o titular. Na seqüência, explica que evita declarações que possam soar como auto-propaganda ou idéia de superioridade sobre Mauro e Júlio Sérgio. Sobre a disputa pela titularidade, Doni declara "não estar nem um pinguinho preocupado" com a questão. "Estou mais concentrado em entrar em forma", diz o goleiro que opta por não impor a si mesmo a responsabilidade de "provar" a Leão que merece a posição. "Não trabalho em cima disso. Vou dar meu melhor no dia-a-dia e o resto é conseqüência."

Agencia Estado,

15 de janeiro de 2004 | 20h17

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.