Doni tem truques para defender pênaltis

O goleiro Doni pode ser a grande diferença do Santos caso a vaga para a final seja decidida nos pênaltis. Ele carrega um invejável currículo, tendo defendido quase metade dos pênaltis cobrados contra seu gol e a média vem melhorando nos últimos tempos: de janeiro de 2003 até hoje, ele defendeu sete das 11 cobranças. Doni treina muito esse tipo de jogada, mas acha que isso não é suficiente. "Não é uma questão apenas de treinamento, porque todo goleiro treina bastante e todos pegariam muitos pênaltis". Por isso, acredita que, em seu caso, é um dom. "Mas tenho também meus truques, que não revelo a ninguém", comentou. Um dos segredos é a concentração. "Eu me concentro bastante no batedor e não me preocupo muito com a situação em volta". Isso pode ser bastante útil nessa curta passagem pelo Santos. No início, ele provocou desconfiança no torcedor, mas no jogo contra o Ituano pegou um pênalti que garantiu a vitória do Santos por 2 a 1. Se o adversário tivesse marcado, o Santos perderia a primeira colocação do grupo no final da fase anterior. Nesse lance, Doni conseguiu prestígio com os exigentes torcedores santistas, que esperam boas defesas caso a decisão seja na cobrança dos pênaltis. E ele não se mostra preocupado com cobranças. "Nunca me preocupei em dar resposta a ninguém e só penso em ajudar o time a vencer". Não cogita também numa glorificação caso consiga a vaga na cobrança de pênaltis. "O que me passa pela cabeça é um gol do Robgol, um do Basílio e um do Robinho para vencermos o jogo e não necessitarmos dos pênaltis".Doni lembra que não é só o pênalti bem cobrado que leva dificuldade para o goleiro. "Dentro do jogo, existem bolas indefensáveis e isso ocorre também com os pênaltis". Mesmo sendo um dos goleiros que mais defendem pênaltis, ele prefere que o jogo seja liquidado no tempo normal. "Estamos confiantes nisso e vamos tentar evitar esse estresse para os torcedores", completou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.