Claudine Petroli/Estadão - 27/01/1980
Claudine Petroli/Estadão - 27/01/1980

Dono de recorde, ex-goleiro Jairo torce por Marcelo Grohe

Jogador do Grêmio, invicto há 749 minutos no Brasileirão, está a quatro partidas da marca histórica obtida pelo corintiano em 1978

Diego Salgado, O Estado de S. Paulo

30 de setembro de 2014 | 07h00

O goleiro Marcelo Grohe está a 383 minutos de um recorde histórico. Se não sofrer gols nos próximos quatro jogos do Grêmio no Brasileirão, vai superar Jairo, ex-goleiro do Corinthians, que há 36 anos é dono da melhor marca da história do Campeonato Brasileiro. Em 1978, o camisa 1 corintiano conseguiu ficar 1.132 minutos sem ser vazado. Desde então, viu alguns jogadores da posição chegarem perto do número que o consagrou. "Recorde foi feito para ser batido. Torço por ele (Grohe). Se conseguir, os méritos são dele", disse Jairo, em entrevista ao Estado.

Com 749 minutos de invencibilidade, o goleiro do Grêmio precisa ficar mais quatro partidas (diante de São Paulo, Sport, Palmeiras e Goiás) sem sofrer gols. Dessa forma, poderá se tornar o recordista aos 23 minutos da partida contra o Figueirense, na Arena do Grêmio, em Porto Alegre, na 30.ª rodada do Nacional. O último gol sofrido pelo gremista no Brasileirão foi marcado dia  24 de agosto, na 17.ª rodada, diante do Corinthians, em casa. Guerrero marcou aos 16 minutos da etapa final na vitória do time gaúcho por 2 a 1. Depois, o time enfrentou Bahia (1 a 0), Flamengo (1 a 0), Atlético-PR (1 a 0), Atlético-MG (0 a 0), Santos (0 a 0), Chapecoense (1 a 0), Fluminense (0 a 0) e  Botafogo (2 a 0).

A série obtida por Jairo, que durou quase quatro meses, de 15 de fevereiro a 10 de junho de 1978, foi parecida. O Corinthians, como o Grêmio agora, marcava poucos gols e mostrava muita solidez defensiva. Na época, a última linha de quatro do time alvinegro contava com Zé Maria, Ademir, Moisés e Wladimir, todos campeões estaduais no ano anterior. "O segredo era a união. Nos dávamos muito bem. Além disso, tínhamos um time coeso, um cobria o erro do outro. Isso facilitava muito", disse Jairo, que já havia conseguido algo parecido no Coritiba, no começo da década de 1970 - na ocasião, teve duas séries invictas (950 minutos e 740 minutos).


Depois de uma brilhante passagem pelo Coritiba, onde conquistou o pentacampeonato estadual entre 1971 e 1976, Jairo acertou a transferência para o Corinthians. No clube paulista, estreou em abril de 1977 e passou a revezar com Tobias o posto de titular. "O Oswaldo Brandão implantou isso. No fim, acabou dando certo", relembra o goleiro, que também chegou à seleção brasileira em 1976.

No começo de 1978, atuando mais que o companheiro de meta, Jairo deu início à construção do recorde. Depois de uma derrota para o Londrina por 1 a 0, o goleiro completou 11 partidas sem sofrer gols, que somadas aos 84 minutos contra o time paranaense e aos 58 minutos diante do Botafogo, já no fim da série, resultaram em um total de 1.132 minutos - Tobias jogou contra o América-RJ (derrota por 1 a 0), Flamengo (empate por 1 a 1), Mixto (empate sem gols), Rio Branco (vitória por 4 a 1), Dom Bosco (vitória por 4 a 0).

Segundo Jairo, a imprensa passou a dar muita importância ao fato à medida que a marca era melhorada. Até então, o recorde era de Leão, que ficou 1.057 minutos sem sofrer gols. "Muita gente falava disso. Até atrapalhava às vezes. Eu entrava em campo pensando nisso", afirmou Jairo.

Na marca obtida por Grohe, os acréscimos das partidas não foram considerados, pois a medida foi adotada oficialmente pela Fifa em 1998. Assim, goleiros como Jairo não tiveram a chance de usar os minutos adicionais concedidos pelos árbitros para aumentar o tempo da façanha de não tomar gols. "Seria injusto considerar esse acréscimo. Na minha época, não existiam (os acréscimos). O correto é mesmo contar apenas 90 minutos", disse o ex-atleta do Corinthians.

MELHORES

O ex-jogador, que hoje dá aulas às crianças de Araucária, na Grande Curitiba, destaca o desempenho de três goleiros no Brasileirão deste ano: Jefferson, Paulo Victor e o próprio Marcelo Grohe. Jairo também exalta as atuações de Cássio e Rogério Ceni. "Ele (Rogério) quase já bateu o meu recorde. Também torci para ele." O goleiro do São Paulo, em 2007, chegou a ficar 988 minutos sem ser vazado, a apenas 144 minutos do recorde de Jairo. Com a marca, Rogério ficou entre os três primeiros, atrás de Leão e Jairo. Depois de sete anos, o próprio Ceni pode impedir que Grohe o alcance. No próximo sábado, o time paulista vai a Porto Alegre enfrentar o Grêmio pela 26.ª rodada do Brasileirão.

10 MELHORES MARCAS NO BRASILEIRÃO

Jairo (Corinthians), em 1978

1.132 minutos

Leão (Palmeiras), em 1973

1.057 minutos

Rogério Ceni (São Paulo), em 2007

988 minutos

Acácio (Vasco), em 1988

915 minutos 

Renan (Inter), em 2006

795 minutos

Neneca (Guarani), em 1978

778 minutos

João Leite (Atlético-MG), em 1978

773 minutos

Paulo César (Sport), em 1985

756 minutos

Marcelo Grohe (Grêmio)

749 minutos

Fernando Prass (Vasco), em 2012

748 minutos

SEQUÊNCIA DE JAIRO (11 JOGOS)

Flamengo (1 a 0)

Anapolina (0 a 0)

Brasília (1 a 0)

Goiás (0 a 0)

Santos (0 a 0)

Desportiva (1 a 0)

Comercial (2 a 0)

Operário (0 a 0)

Vila Nova (0 a 0)

Botafogo-SP (1 a 0)

Comercial-SP (1 a 0)

SEQUÊNCIA DE GROHE (8 JOGOS)

Bahia (1 a 0)

Flamengo (1 a 0)

Atlético-PR (1 a 0)

Atlético-MG (0 a 0)

Santos (0 a 0)

Chapecoense (1 a 0)

Fluminense (0 a 0)

Botafogo (2 a 0)

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.