Reuters
Reuters

Dono do Cagliari decide vender clube da elite italiana

Após 22 anos. Massimo Cellino venderá equipe para consórcio norte-americano

Agência Estado

28 de maio de 2014 | 17h09

ROMA - O presidente do Cagliari, Massimo Cellino, revelou nesta quarta-feira que concordou em vender o clube a um consórcio norte-americano, cujo identidade não foi revelada. Os detalhes do acordo também não foram revelados.

O Cagliari terminou o último Campeonato Italiano na 15° posição, escapando por pouco do rebaixamento. E passa a ser, portanto, o terceiro integrante da primeira divisão comandado por grupos estrangeiros. A Roma pertence a norte-americanos e a Inter de Milão foi vendida em 2013 para o magnata indonésio Erick Thohir.

Proprietário do Cagliari há 22 anos, Cellino vinha lutando para conseguir construir um novo estádio desde que o clube da Sardenha deixou o Sant''Elia em 2012. Ele também tentou fazer algumas reformas que foram proibidas pelo conselho municipal.

O Cagliari chegou a disputar partidas em outros estádios, mas as opções também não deram certo. Na última temporada, o time voltou a mandar jogos no Sant''Elia, mas com limite para cinco mil torcedores por questão de segurança.

"Estou muito feliz. Deus os abençoe (os compradores), agora vai ser com eles lutar contra a burocracia. Espero que deixem eles fazerem o que não me deixaram", disse Cellino.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCagliari

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.