Dores não afastam Rogério Ceni do time

É o último jogo do ano. O mais esperado. O de número 76 para Rogério Ceni só em 2005. E ele confessa não estar tão bem. ?Estou sentindo umas dores no joelho direito e diminuí o ritmo de treinos. Guardei tudo para esse último jogo. Depois, chego em São Paulo e faço uma ressonância para ver como tratar da melhor forma?, explicou o goleiro e capitão do São Paulo, ao comentar sobre a final do Mundial de Clubes, domingo, contra o Liverpool.Rogério Ceni acha que o São Paulo pode jogar mais em relação ao que fez contra o Al Ittihad, quarta-feira, pela semifinal do Mundial. Mas recua quando alguém fala em uma melhora de 50%. ?Não, é muita coisa. Não conseguimos jogar tão mais assim, não. O importante é que o time está bem e vai fazer uma decisão dura e equilibradacontra o Liverpool?, afirmou.O goleiro aponta o jogo pelo alto como algo que o São Paulo precisa cuidar. ?O segundo gol do Al Ittihad foi de cabeça. Perdemos aquela bola e precisamos arrumar isso. Na jogada anterior, quando o Edcarlos cabeceou para fora e eu estava saindo do gol, também foi uma falha. De comunicação. Essas coisas vão ser consertadas?, explicou Rogério Ceni.

Agencia Estado,

15 de dezembro de 2005 | 15h47

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.