Eduardo Nicolau|Estadão
Eduardo Nicolau|Estadão

Doria infla custo do Pacaembu para justificar concessão à iniciativa privada

Prefeito eleito alega que estádio onera cofres públicos em R$ 40 milhões a cada 4 anos; No período, despesas somaram R$ 26,8 milhões

Pedro Venceslau e Raphael Ramos, O Estado de S.Paulo

06 Outubro 2016 | 23h00

Para justificar sua intenção de conceder o Pacaembu à iniciativa privada, o prefeito eleito de São Paulo, João Doria (PSDB), alega que o estádio custa, a cada quatro anos, R$ 40 milhões aos cofres públicos. Dados da Secretaria Municipal de Esportes, Lazer e Recreação (SEME), responsável pela administração do estádio, repassados ao Estado, porém, mostram que os custos de manutenção do Paulo Machado de Carvalho são bem menores do que os apresentados por Doria.

Segundo a secretaria, de janeiro de 2012 a julho de 2016, as despesas do estádio somaram R$ 26,8 milhões. As receitas no período foram de R$ 15,4 milhões, totalizando R$ 11,3 milhões de déficit. Em entrevista ao Estado na terça, dois dias após ser eleito no primeiro turno, Doria disse que o Pacaembu representa, a cada quatro anos, R$ 40 milhões de despesa. “É um dinheiro substantivo. O programa de desestatização tem como primeiro fator a redução de despesas. O outro é a geração de receita”, afirmou.

Nos últimos cinco anos, a média anual de despesas do Pacaembu foi de R$ 4,8 milhões. Em 2013, o valor subiu para R$ 7,5 milhões por causa de obra na piscina, nos banheiros, vestiários e troca de filtros. Nas contas de João Doria, a média anual de despesas do estádio municipal é de R$ 10 milhões.

No ano passado, a gestão do prefeito Fernando Haddad (PT) abriu processo de concessão do estádio e chegou a receber três propostas para modernização do Pacaembu, mas o projeto não avançou.

A ideia de Doria é que a concessão dure entre 10 ou 15 anos. O tucano defende que o nome do estádio continue Paulo Machado de Carvalho, e que não seja trocado pelo de patrocinadores. Ou seja, o “novo Pacaembu” não teria naming rights. O prefeito eleito pretende que o estádio seja usado apenas para partidas de futebol, e não shows ou realização de cultos religiosos de igrejas da cidade. 

Apesar de Corinthians, São Paulo e Palmeiras já terem estádios próprios, e do Santos possuir um projeto de construção de arena na Baixada, além da Vila, o tucano acredita que não é preciso que um clube administre o Pacaembu e aposta que uma empresa possa assumir o local em 2017. 

O número de partidas realizadas no Pacaembu caiu desde a inauguração do Itaquerão e do Allianz Parque, em 2014. No ano passado, por exemplo, o estádio recebeu apenas 13 jogos – em 2013, foram 73.

Esse ano, a quantidade aumentou para 23, incluindo uma partida da seleção de rúgbi. O Flamengo, após o fechamento do Maracanã por causa dos Jogos Olímpicos do Rio, atuará no domingo, diante do Santa Cruz, pela terceira vez no ano no estádio municipal. Antes, o Rubro-Negro enfrentou Fluminense e Figueirense no local.

Na próxima quinta-feira, São Paulo e Santos se enfrentarão no Pacaembu. O clássico será com torcida única são-paulina, devido a um acordo entre as diretorias dos dois clubes, que definiram no início do Campeonato Brasileiro que os confrontos do primeiro e do segundo turno do Nacional seriam no Paulo Machado de Carvalho.

Procurada pelo Estado, a assessoria do prefeito eleito confirmou os números citados por João Doria e afirmou que manterá a ideia de concessionar o estádio qualquer que seja o peso da manutenção para o contribuinte.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.