Rubens Chiri/ Divulgação
Rubens Chiri/ Divulgação

Dória nega crise no São Paulo após derrota e promete reação

'Temos um jogo e outros treinos para começarmos a reverter a situação na próxima quarta-feira', diz zagueiro são-paulino

CIRO CAMPOS, Estadão Conteúdo

19 de fevereiro de 2015 | 18h17

O baque pelo São Paulo ter sido totalmente dominado e batido pelo Corinthians por 2 a 0 na última quarta-feira, pela Libertadores, já faz o elenco adotar um discurso para acalmar uma possível crise. O zagueiro Doria repetiu por diversas vezes na entrevista coletiva desta quinta-feira que o time tem condições de reverter a situação desfavorável e lembrou que a equipe tem ainda cinco jogos para fazer no Grupo 2.

"Tivemos uma apresentação ruim. Mas temos um jogo no sábado (contra o Audax) e outros treinos para começarmos a reverter a situação na próxima quarta-feira. Ainda faltam cinco jogos", disse.

O próximo compromisso pela Libertadores é no Morumbi, contra o Danubio, time uruguaio considerado o mais fraco de uma chave que tem o Corinthians e o argentino San Lorenzo, atual campeão do torneio.

Apesar da derrota por 2 a 0 para o rival, o dia não teve protestos e nem a presença de dirigentes no CT da Barra Funda. A quinta-feira foi marcada por um jogo-treino dos reservas, enquanto os titulares fizeram trabalho regenerativo na academia e pouco falaram sobre o tropeço na estreia e evitaram cobranças. "Todo mundo sabe o que deve ser feito. Aqui não tem criança e todos sabem o que poderia ser feito melhor dentro de campo", comentou Dória.

O zagueiro terminou o jogo com uma lesão no pé direito por uma dividida durante o primeiro tempo do clássico. Mas Dória não deve ser problema para a partida de sábado, contra o Audax, no Morumbi, pela sexta rodada do Campeonato Paulista, quando o São Paulo precisará mostrar postura diferente.

"O Corinthians fez uma excelente partida e por isso pareceu que a gente aceitou muito a proposta de jogo deles. Realmente tivemos dificuldade para chegar no gol deles, mas vamos melhorar", explicou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.