Dória nega 'tirar o pé' por estar pendurado no Botafogo

O jovem Dória aproveitou a chance com a lesão de Antônio Carlos, agradou o técnico Oswaldo de Oliveira e ganhou a titularidade no Botafogo, formando dupla com Fábio Ferreira. O zagueiro, no entanto, sabe que a concorrência é grande e que pode voltar para o banco se bobear. Pendurado, ele não quer nem pensar em tomar o terceiro cartão amarelo diante do Bahia, em Pituaçu, para não dar chances ao concorrente.

AE, Agência Estado

27 de setembro de 2012 | 14h49

Apesar disso, Dória garantiu que não vai aliviar na partida de domingo e prometeu empenho máximo. "Quando a gente para e pensa (que está pendurado), fica meio preocupado. Dentro de campo procuro esquecer isso e jogar da mesma forma. Se for para tomar cartão, beleza, só não pode sair por alguma bobeira".

Com a titularidade, o zagueiro de 17 anos viu o assédio sobre ele aumentar também. Desconhecido do torcedor até pouco tempo atrás, ele admitiu que hoje é mais reconhecido, mas garantiu que tem maturidade suficiente para não deixar o sucesso subir à cabeça.

"Muda o reconhecimento na rua. Às vezes, chegando perto de casa o pessoal me reconhece mais, fala dos jogos. E a responsabilidade, porque, mesmo aos 17 anos, tenho que ter uma vida adulta. Não posso sair todos os dias da semana. Independente da minha idade tenho que me privar disso. Tenho que ser adulto mesmo", comentou.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolBrasileirãoBotafogoDória

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.