Doriva admite atuação ruim do Vasco e revela cobrança ríspida

O técnico Doriva admitiu que o Vasco teve atuação ruim no jogo de ida da segunda fase da Copa do Brasil, o empate por 1 a 1 com o Cuiabá, na noite de quarta-feira, na Arena Pantanal. Ele revelou, inclusive, que fez cobranças duras aos jogadores no intervalo, em busca de uma reação.

Estadão Conteúdo

14 de maio de 2015 | 10h17

"O jogo foi difícil, tivemos um primeiro tempo ruim. Costumo ser calmo, mas no intervalo eu tive uma conversa mais ríspida com o elenco e deu resultado. Conseguimos envolver o Cuiabá e criamos as oportunidades", disse.

A conversa, porém, parece não ter surtido muito efeito, pois o time acabou sendo vazado aos 34 minutos da etapa final por Maninho, só arrancado o empate nos acréscimos, com o gol de Rodrigo. Doriva avaliou que o resultado não foi ruim, pois deixou o Vasco em boas condições para o jogo de volta.

"Foi um jogo normal. O Cuiabá aproveitou a chance e fez o gol, que foi estranho, não tive a noção correta de como a bola entrou. Corremos atrás e criamos situações de gol. O empate está de bom tamanho, não matamos o jogo de volta, mas temos a força da nossa casa para vencer e avançar", declarou.

Para Doriva, o desgaste físico pode ter atrapalhado o rendimento vascaíno diante do Cuiabá. "Sempre jogamos para vencer, mas ganhar ou perder faz parte do futebol. Não vamos desmerecer o Cuiabá que foi intenso e comprometido. Nós também tivemos viagens, muitos jogos. É cansativo mesmo. Agora temos que saber usar bem o elenco para realizar boas partidas. Vamos descansar bem pois já teremos partida no fim de semana", comentou.

O Vasco volta a entrar em campo no próximo domingo, quando vai encarar o Figueirense, em Florianópolis, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro. Já o jogo de volta com o Cuiabá está marcado para a próxima quarta-feira, em São Januário.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolCopa do BrasilVascoDoriva

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.