Rubens Chiri/Divulgação
Rubens Chiri/Divulgação

Doriva critica legado de Osorio: 'O time jogava descompactado'

Técnico do São Paulo vê melhora na equipe após três partidas

O Estado de S. Paulo

23 de outubro de 2015 | 13h53

Após três jogos no cargo o técnico Doriva, do São Paulo, explicou nesta sexta-feira, em entrevista coletiva no CT da Barra Funda, a principal falha encontrada no time. Segundo o treinador, a equipe na época da gestão de Juan Carlos Osorio jogava de forma muito descompactada, problema que passou a ser a prioridade em seu trabalho desde que chegou ao cargo, há duas semanas.

"A leitura que fiz, desde que cheguei, foi que ficava descompactado. Entendo futebol compactado, com pressão alta e a linha de trás acompanhando", disse Doriva. "No primeiro jogo com o Fluminense, tivemos pouco tempo. O time teve uma performance bem distante do que entendo como ideal. Contra o Vasco melhorou e diante do Santos teve uma resposta muito positiva", explicou.

O atual técnico chegou ao comando e logo no primeiro dia descartou manter duas posturas características do antecessor, o rodízio de titulares e a improvisação de jogadores nas posições. O São Paulo tem jogado no esquema fixo do 4-2-3-1, com poucas mudanças na escalação de um jogo para outro. "É sempre difícil assumir na metade de um trabalho. Você muda a maneira de jogar e tem de convencer o atleta das funções em campo. A receptividade tem sido boa", comentou.

Nos três jogos sob seu comando o São Paulo perdeu para Fluminense e Santos, além de ter empatado com o Vasco. "Houve uma margem de melhora que me animou. Vamos seguir dando sequência ao trabalho para as vitórias chegarem", disse o treinador. No próximo domingo a equipe encara fora de casa o Coritiba, pelo Campeonato Brasileiro.

No treino desta sexta-feira os jogadores fizeram um trabalho leve. O desfalque na atividade foi o atacante Alan Kardec, que com dores nas costas, não deve participar da partida de domingo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.