Ivan Storti/ Santos FC
Ivan Storti/ Santos FC

Dorival evita culpar árbitro por polêmica e pede tecnologia para diminuir erros

Técnico santista relembra gol impedido do Red Bull para citar erros 'para quem vence e quem perde'

Estadão Conteudo

12 Fevereiro 2017 | 14h46

É claro que o técnico Dorival Júnior gostaria de falar na entrevista coletiva sobre a vitória do Santos sobre o Red Bull Brasil, por 3 a 2, a segunda no Campeonato Paulista. Mas foi inevitável responder às perguntas sobre o gol polêmico de Kayke que resultou na 17ª vitória seguida santista dentro do Pacaembu, considerada a segunda casa do time da Vila Belmiro.

"A tecnologia está aí para ser usada e só o futebol que não se utiliza deste recurso. A International Board (entidade que define as regras do futebol) parece que trabalha contra. É preciso diminuir a margem de erro", disse Dorival, lembrando que um lance polêmico é ruim para todos os lados. "O segundo gol do Red Bull (marcado por Nixon) estava impedido e ninguém falou nada. Foi um erro de um lado e um erro crucial do outro. Sinto muito porque não cai bem nem para quem vence ou para quem perde uma partida desta forma".

Em relação ao desempenho do time, o técnico reconheceu que foi abaixo do esperado. Mas considerou isso normal "tendo em vista as dificuldades que tivemos pela boa marcação do adversário, que exigiu muito da equipe do Santos". Além disso, avalia esta instabilidade técnica "como normal num início de temporada".

Na próxima rodada, o Santos terá um teste mais complicado pela frente. Na Vila Belmiro, o time santista vai receber o São Paulo, na quarta-feira. "Este jogo com o São Paulo promete muito, mas espero que continuemos melhorando. Jogamos abaixo daquilo que podíamos, mas precisamos voltar à uma normalidade", disse Dorival Júnior, que diz não se importar com as entradas de novos contratados no time. "Ninguém foi contratado para jogar. Todos chegaram no clube para uma montagem do elenco e no decorrer do tempo cada um vai ter a chance de mostrar sua capacidade."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.