Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Dorival Júnior pede para continuar no Palmeiras em 2015

Treinador ressalta desejo de permanecer na equipe após o empate por 1 a 1 com o Atlético-PR e com a permanência na Série A selada

CIRO CAMPOS E DANIEL BATISTA, O Estado de S. Paulo

07 de dezembro de 2014 | 20h48

No que depender do técnico Dorival Júnior, o Palmeiras não precisará mudar o comando para o ano que vem. Após o empate por 1 a 1 com o Atlético-PR, neste domingo, e com a permanência na Série A selada, o treinador ressaltou em vários momentos o desejo de ficar no clube e o quanto isso pode ajudar a equipe para 2015.

Dorival chegou ao Palmeiras em setembro na vaga do argentino Ricardo Gareca e tem contrato válido até o fim do Campeonato Paulista. "Quando fui contratado, o maior problema era evitar o rebaixamento. Agora depende da diretoria achar o que será o melhor", afirmou.

O técnico ressaltou que conseguiu desenvolver os seus melhores resultados na carreira quando teve os trabalhos mais longos nos clubes. Para justificar, citou a passagem pelo Santos, em 2010, e o trabalho no início de 2013 com o Flamengo, que terminou como campeão da Copa do Brasil.

O treinador prometeu que irá conversar com o presidente Paulo Nobre para tratar da próxima temporada e nesse encontro, vai expor os problemas identificados no time nesses 20 jogos em que trabalhou no Palmeiras. "A diretoria tem que ter a liberdade para avaliar e ver o que passou. Todos têm consciência do que foi a equipe do Palmeiras", destacou.

"Não me sinto fora do Palmeiras de maneira nenhuma. A diretoria tem a liberdade para me avaliar. Confio no meu trabalho e sei o que posso fazer", disse. Dorival destacou como principal conquista do ano ter colocado no time titular garotos das categorias de base, como Nathan, Gabriel Dias, Renato, Victor Luís e João Pedro. "Todos eram pouco falados e talvez até desconhecidos da torcida", defendeu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.