Odd Andersen / AFP
Odd Andersen / AFP

Dortmund crê na classificação mesmo após início ruim na Liga dos Campeões

Peter Bosz reclama de toque de mão de Sergio Ramos dentro da área, mas diz que derrota foi justa

Estadão Conteúdo

27 de setembro de 2017 | 11h50

O técnico do Borussia Dortmund, Peter Bosz, procurou manter a esperança na classificação da equipe para a próxima fase da Liga dos Campeões da Europa mesmo após a derrota - a segunda em dois jogos - nesta terça-feira, em casa, para o Real Madrid por 3 a 1, pelo Grupo H. O treinador admitiu que o time alemão está em uma situação difícil na competição, mas ainda confia na conquista da vaga.

"Ainda faltam quatro jogos e tentaremos vencê-los. É importante agora ganharmos os dois jogos contra o APOEL (no encerramento do turno e abertura do returno da chave) e, então, veremos como ficarão as partidas entre o Real e o Tottenham", analisou o comandante do Dortmund.

Bosz também mostrou descontentamento com a atuação da arbitragem, que deixou de marcar um pênalti para o Borussia aos 14 minutos do primeiro tempo, quando o jogo estava empatado em 0 a 0 - os alemães reclamaram de toque de mão do zagueiro Sérgio Ramos dentro da área. Mas, frisou que o erro não tirou os méritos da vitória dos adversários.

"Tenho que dizer, antes de tudo, que merecíamos perder. Jogamos contra um time muito bom nesta noite e não estávamos no seu nível. Então, não quero começar a falar sobre esse incidente. Sim, estava 0 a 0 e houve um toque claro de mão na bola. Mas o Real foi melhor que o Dortmund e mereceu vencer", completou o técnico holandês que dirige o Borussia.

O Dortmund, que lidera o Campeonato Alemão com 16 pontos somados em seis jogos disputados, voltará a campo pela Liga dos Campeões somente no dia 17 de outubro para enfrentar o APOEL, em Nicósia, no Chipre, no encerramento do primeiro turno da fase de grupos do torneio europeu. Depois, no dia 1.º de novembro, os alemães receberão os cipriotas na abertura do returno.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.