Alastair Grant/AP
Alastair Grant/AP

Douglas Costa evita falar em titularidade, mas celebra boa atuação pelo Brasil

Meia-atacante ajudou a mudar partida ao entrar no lugar de Willian

Leandro Silveira e Marcio Dolzan, enviados especiais / São Petersburgo, O Estado de S.Paulo

22 Junho 2018 | 14h54

Douglas Costa foi um dos responsáveis pela vitória da seleção brasileira por 2 a 0 sobre a Costa Rica, nesta sexta-feira, em São Petersburgo, pela segunda rodada do Grupo E da Copa do Mundo. O meia-atacante substituiu Willian já no intervalo, quando o placar estava empatado em 0 a 0, e deu mais força ao setor ofensivo. Após o duelo, porém, evitou falar em titularidade para a sequência da participação da equipe no torneio.

+ Neymar desabafa nas redes sociais após vitória: 'Falar até papagaio fala'

+ Imprensa britânica critica Neymar: 'Mimado, resmungão, dramático e trapaceiro'

+ Tite rechaça ajuda da arbitragem, mas pede critério: 'Que ela seja justa'

"Não vejo assim, todos merecem jogar, sendo titular ou não. Fico contente em qualquer situação", afirmou Douglas Costa, que se apresentou a Tite contundido, mas se recuperou a tempo de compor o grupo da seleção no Mundial. "Não tem briga por posição. Cada um tem sua parcela (de contribuição)", desconversou o jogador da Juventus.

Douglas Costa atuou aberto no lado direito do ataque do Brasil, por onde a equipe pouco havia avançado na etapa inicial, assim como no empate por 1 a 1 com a Suíça, na estreia da seleção na Copa. E, já nos últimos instantes do duelo, deu o passe para Neymar marcar o segundo gol da seleção. Após o jogo, então, aprovou o seu desempenho em São Petersburgo. "Entrei nos espaços que o Tite pediu. Fico feliz de ter mostrado o meu futebol depois de tanto tempo longe da seleção", afirmou.

 

Feliz, Douglas Costa recordou que enfrentou dificuldades para fazer parte do grupo de 23 jogadores do Brasil na Copa do Mundo, pois se lesionou na última rodada do Campeonato Italiano, atuando pela Juventus. Mas, após se recuperar, foi aproveitado por Tite diante da Costa Rica, ajudando a abrir espaços no sistema defensivo de um adversário armado no esquema 5-4-1.

"Ralei demais para estar na seleção, fiz esforços que ninguém sabe. Fico contente por ajudar meus companheiros e especialmente por ajudar o Neymar, dando a assistência. Acho que atuei no mesmo nível em que atuo na Juventus", comentou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.