Cesar Greco/Ag. Palmeiras
Cesar Greco/Ag. Palmeiras

Dracena diz entender protestos no Palmeiras: 'Ninguém está satisfeito'

Zagueiro minimiza críticas em recepção do time em Buenos Aires e garante que elenco reconhece necessidade de evoluir

O Estado de S. Paulo

24 de abril de 2018 | 15h38

Recebido na Argentina com protestos e alguns xingamentos de um grupo de torcedores, o Palmeiras garante estar concentrado e que não será abalado pelas críticas no jogo contra o Boca Juniors, nesta quarta, pela Copa Libertadores. O zagueiro Edu Dracena disse nesta terça-feira que o elenco está acostumado com a pressão e ciente da necessidade de evoluir.

+ Guerra desfalca o Palmeiras na Argentina

+ Clube volta ao estádio do Boca Juniors depois de 17 anos

"A gente sabe que a cada dia que passa temos de melhorar cada vez mais. Ninguém está satisfeito com o que estamos apresentando. Ao mesmo tempo, estamos bem tranquilos, sabendo que temos a confiança dos torcedores. E a gente precisa do torcedor ao nosso lado para enfrentar os obstáculos que teremos pela frente no Brasileiro e na Libertadores", afirmou o defensor em entrevista coletiva no hotel onde a equipe está concentrada.

O Palmeiras desembarcou em Buenos Aires na madrugada de terça-feira sob intensos protestos. O principal alvo foi o atacante Dudu, que no domingo desabafou contra críticas da torcida depois de marcar o gol da vitória por 1 a 0 sobre o Inter, no Pacaembu, pelo Campeonato Brasileiro. "Já estamos acostumados com cobrança. Quem nos cobra, é porque sabe quanto podemos render e jogar. Os jogadores estão bem tranquilos. Sabemos da nossa responsabilidade", comentou Dracena.

O zagueiro será titular pela primeira vez nesta Libertadores. Após passar por uma pré-temporada mais longa, ficar na reserva e começar um jogo neste ano somente no último domingo, Edu Dracena comentou estar ansioso. O componente principal para a expectativa é atuar pela primeira vez na carreira em uma partida em La Bombonera.

"Sabemos que não estamos no ideal que podemos chegar, em termos de qualidade e de time, mas não está faltando entrega e empenho de nenhum dos profissionais, tanto de jogador quanto de comissão técnica. Estou bem confiante e tranquilo, até a bola rolar, que é quando dá um friozinho na barriga", afirmou o defensor.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.