Drible custa caro aos artistas da bola

Dribles encantam torcedores - mas costumam despertar a ira de rivais, especialmente se forem botinudos e mal-encarados. Craques de qualquer época sentiram nas canelas e nas pernas os efeitos de sua habilidade. Muitos entortaram zagueiros, mas também pagaram preço alto pela intimidade com a bola.Caso que já se tornou clássico é o de Zico. O antigo astro do Flamengo e da seleção quase teve a carreira encerrada, em meados dos anos 80, ao ser atingido pelo zagueiro Márcio Nunes, em clássico com o Bangu. As seqüelas da contusão no joelho persistiram até o fim da carreira.Juninho Paulista amargou meses de angústia, em 98, depois de ter o tornozelo quebrado pelo lateral Salgado, em jogo do Campeonato Espanhol. O meia na época defendia o Atlético de Madrid, submeteu-se a tratamento sofisticado, recuperou-se, mas ficou fora do Mundial da França.Dor e revolta marcaram Mauricinho por muito tempo. O ponta que brilhou no Vasco, entre os anos 80 e início de 90, ?brincava? com a bola como poucos. Até esbarrar no zagueiro Jandir, em um duelo com o Fluminense. A pancada afetou os meniscos e interrompeu planos de jogar no Corinthians, que cobiçava o passe.O ponta-esquerda Nei, da Academia do Palmeiras nos anos 70, vivia com as canelas abertas pelos cravos de chuteiras ?pesadas?. Sobretudo após confrontos com o São Paulo, do lateral-direito uruguaio Pablo Forlán.Pelé e Garrincha, dois gênios inigualáveis, enfileiraram defensores esbaforidos, nos anos 60, e apanharam muito. O Rei do Futebol se livrava bem da fúria - só não conseguiu fugir dos sarrafos de portugueses, na Copa de 66. Já o "anjo das pernas tortas" cansou de jogar sob efeito de infiltrações, para aliviar estragos das pancadas.Denílson, talvez quem melhor encarne o estilo de Garrincha nos dias atuais, se acostumou a apanhar, mesmo a contragosto, por conta dos incontáveis dribles que aplica. Desperta tanto temor que pode arrastar quatro rivais ao mesmo tempo, como diante da Turquia, nas semifinais da Copa-2002, e ainda sair ileso, com um sorriso.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.