Franck Fife / AFP
Franck Fife / AFP

Drogba buscará presidência da Federação para 'dar vida' ao futebol da Costa do Marfim

Ídolo marfinense, ex-atacante do Chelsea vai disputar o pleito com outros cinco candidatos. Candidatura tem o apoio da torcida, que não verá a seleção na Copa do Catar

Redação, O Estado de S.Paulo

11 de abril de 2022 | 10h17

Didier Drogba está na briga para assumir o comando do futebol da Costa do Marfim. O ex-atacante do Chelsea oficializou neste domingo sua candidatura à presidência da Federação do País com o intuito de 'dar vida' ao futebol marfinense.

As eleições devem ocorrer no próximo dia 23 de abril após meses de adiamentos. Estava marcada para 2020, mas problemas com a Fifa acabaram adiando o pleito. Ídolo em seu país, Drogba foi recebido por uma multidão na época em que foi registrar sua candidatura.

Agora ele brigará com outros cinco candidatos para tentar reerguer a seleção da Costa do Marfim, que ficou distante na luta por vaga à Copa do Catar e nem entre os 10 melhores para a fase de mata-mata se classificou.

"A candidatura à presidência da federação de futebol da Costa do Marfim está encerrada. Seis candidatos foram inscritos. São eles: Yatte Ellele Jean-Baptiste, Arnaud Aka, Laurent Kouakou, Idriss Diallo, Sory Diabaté e Didier Drogba", informou Mariam Dao Gabala, presidente do Comitê de Normalização da FIF, durante entrevista coletiva.

Drogba esbanja confiança que pode sair vencedor. "Mal posso esperar para a campanha começar. Finalmente aqui estamos! Não vejo a hora de começar a campanha. Confie em mim para dar vida ao futebol marfinense se eleito", afirmou o ex-capitão da seleção marfinense.

Temendo protestos, Dao Gabala pediu que o pleito seja pacifico. Ela divulgará na sexta-feira quais candidatos estão aprovados para a disputa.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolDrogba

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.