Edgard Garrido/Reuters
Edgard Garrido/Reuters

Dudamel se demite da seleção venezuelana e fica livre para assumir o Atlético-MG

Acordo com a equipe mineira deverá ser válido pelos próximos dois anos

Redação, Estadão Conteúdo

02 de janeiro de 2020 | 16h46

Rafael Dudamel está próximo ser o novo técnico do Atlético Mineiro. Nesta quinta-feira, o treinador deu um importante passo para se tornar treinador do clube, em acordo que deverá ser válido pelos próximos dois anos, ao renunciar ao comando da seleção venezuelana.

Para seu pedido de demissão, Dudamel argumentou que o relacionamento com os diretores da Federação Venezuelana de Futebol se deteriorou rapidamente e observou que isso acabaria afetando sua continuidade na seleção durante as Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2022.

Através de uma carta postada no Twitter, Dudamel disse que tomou a decisão de "afastar-se, desistir da seleção venezuelana, no seu melhor momento histórico e às portas de um novo ciclo das Eliminatórias".

A Venezuela, a única seleção sul-americana que nunca disputou uma Copa do Mundo, figura na 25ª posição do ranking da Fifa, a melhor de sua história, resultado de seis vitórias, incluindo um 3 a 1 contra Argentina de Lionel Messi e um 4 a 1 sobre o Japão, mais quatro empates e duas derrotas em seus últimos dez compromissos.

"Considero o melhor para a seleção. Meu relacionamento com a diretoria deteriorou-se rapidamente nos últimos tempos e nas condições atuais era muito difícil continuar", disse.

Dudamel, de 46 anos, tinha contrato até o fim das Eliminatórias, em acordo que seria prorrogado automaticamente em caso de classificação para a Copa do Mundo do Catar em 2022.

O ex-goleiro da seleção nacional se destacou como técnico da equipe sub-17 de seu país e, em seguida, conquistou um segundo lugar histórico no Mundial Sub-20 da Coreia do Sul em 2017. Paralelamente, ele assumiu como treinador da seleção principal em 1º de abril de 2016, pouco antes da Copa América Centenário, após a renúncia de Noel Sanvicente, em meio a uma atmosfera de crise.

O treinador agradeceu aos jogadores e enfatizou que "construímos uma equipe sólida que tem um norte seguro e do qual tenho muito orgulho. Vocês têm talento para alcançar a meta mundial e eu serei o primeiro a encorajá-los à distância."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.