Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação
Cesar Greco/Ag. Palmeiras/Divulgação

Dudu revela estilhaço em jogador e diz que entende protesto da torcida do Palmeiras

Atacante lamenta agressividade, mas faz juras de amor à torcida

Daniel Batista, O Estado de S.Paulo

13 Novembro 2017 | 07h00

O atacante Dudu parece estar de bem com a torcida do Palmeiras. Além de não estar entre os alvos das organizadas durante os protestos, o jogador foi, ao lado de Felipe Melo, o atleta mais aplaudido pelos torcedores durante a divulgação da escalação dos times na partida contra o Flamengo. Ele disse lamentar, mas entender a ira dos palmeirenses e fez juras de amor ao clube e aos torcedores. Além disso, revelou que seus companheiros sofreram com o ataque feito pelas organizadas antes da partida.

+ Felipe Melo promete comemorar vitória com vinho e 'sem vazar áudio'

“Falo por mim. Estou aqui no meu terceiro ano e estou muito feliz, sempre fui feliz aqui. Conquistei dois títulos e meu objetivo é continuar batalhando por esse clube. Da primeira vez que eu coloquei essa camisa, sempre procurei fazer isso. O protesto não me abala. A gente entende o emocional do torcedor, às vezes eles estão com a cabeça quente. Sei do carinho enorme que eles têm por mim e tenho por eles também. A gente fica triste no momento, mas entende”, comentou o atacante.

Dudu disse que chegou a rejeitar propostas para deixar o Palmeiras, mas que não se arrepende. Em relação ao protesto feito pela torcida antes do jogo, quando membros das organizadas foram até a porta do CT para xingar alguns atletas e diretoria, o atacante revelou que no momento em que a delegação deixou a Academia de Futebol e que os torcedores jogaram bananas, pamonhas e copos em direção ao ônibus, algo que parecia ser uma pedra, atingiu um vidro que estilhaçou em cima de Keno. A nutricionista do clube, Alessandra Favano, também foi vítima do ataque. A van em que estava com outros funcionários do clube, foi atacada e cacos de vidro caíram em cima dela, mas sem feri-la. 

+ Michel Bastos destaca domínio do Palmeiras e vê cobrança como algo positivo

“A gente ficou um pouco triste, pois estávamos saindo para trabalhar. Não sei se foi pedra, o que foi exatamente, mas quebrou o ônibus. Jogaram alguma coisa no ônibus e veio um estilhaço em um jogador, mas isso é passado. A gente sabe do amor que eles (torcedores) têm pelo clube e que querem sempre o melhor. Nós também queremos vencer sempre, mas infelizmente, neste ano, não conseguimos conquistar o campeonato. O que nos resta é a vaga na Libertadores e lutaremos por ela”, assegurou.

+ De dispensável a destaque, Deyverson marca duas vezes e Palmeiras bate o Flamengo

Mais conteúdo sobre:
Dudu Felipe Melo Palmeiras

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.