José Manoel Idalgo/Agência Corinthians
José Manoel Idalgo/Agência Corinthians

Duílio Monteiro Alves vence eleição e comandará o Corinthians até o fim de 2023

Atual diretor de futebol do clube, Duílio supera Mário Gobbi e Augusto Melo e representa mesmo grupo de Andrés Sanchez

Guilherme Amaro, O Estado de S. Paulo

28 de novembro de 2020 | 23h10

Duílio Monteiro Alves foi eleito como novo presidente do Corinthians, em votação realizada neste sábado, no Parque São Jorge. Ele assume o comando do clube no dia 4 de janeiro, substituindo Andrés Sanchez, e terá mandato por três anos. Os outros candidatos eram Mario Gobbi, presidente entre 2012 e fevereiro de 2015, e Augusto Melo

Duílio teve 1.081 votos (38%) dentre os 2.873 sócios que compareceram para a eleição. Augusto Melo ficou em segundo lugar com 939 (33%) e Mário Gobbi foi a escolha de 783 pessoas (27%). Votos em branco foram 56 e nulos 14.

Aos 45 anos, Duílio chega à presidência após ter sido diretor de futebol durante a gestão de Andrés Sanchez. Ele havia deixado o cargo em setembro por causa da sua candidatura. O novo presidente também acumula a experiência de ter sido diretor adjunto de futebol entre 2011 e 2014, na gestão de Mario Gobbi, e diretor cultural em 2009 e 2010.

Além do novo presidente, a eleição definiu os 200 conselheiros do Corinthians para o próximo triênio. A votação foi realizada das 9h às 17h no Ginásio Wlamir Marques, no Parque São Jorge, e não houve confusão, ao contrário do que ocorreu no último pleito, quando torcedores protestaram contra Andrés Sanchez.

O resultado demorou para sair, porque os votos foram em cédula. O Corinthians tentou o empréstimo de urnas eletrônicas com o Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo, mas não conseguiu. O segundo turno da eleição para a Prefeitura da capital paulista é realizado neste domingo. A comissão eleitoral também não buscou alugar urnas de empresas privadas em razão do custo e do processo burocrático para contratar alguma empresa. 

O principal desafio do próximo presidente será equilibrar as finanças do Corinthians. A dívida atual ultrapassa os R$ 900 milhões. Como legado de seu mandato, Andrés Sanchez vendeu o naming rights do estádio para a Neo Química por R$ 300 milhões, em negociação com validade de 20 anos. Além disso, encaminhou acordo com a Caixa Econômica Federal para o pagamento da dívida de R$ 536 milhões. O prazo do financiamento deve ser prolongado até 2040.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.