Divulgação
Divulgação

Dunga diz que convocou Kaká por experiência 'dentro e fora do campo'

Meia do Orlando City está de volta à seleção brasileira

RONALD LINCOLN JR., O Estado de S.Paulo

13 de agosto de 2015 | 13h00

Pressionado para fazer com que a seleção brasileira apresente um bom rendimento nas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2018, o técnico Dunga apostou na convocação o meia Kaká, do Orlando City, dos Estados Unidos, para dar mais experiência ao time nos últimos amistosos preparatórios para o torneio classificatório. Algo que faltou na campanha da Copa América, na qual a equipe contava com jogadores com curta passagem pela seleção - uma das exceções era o atacante Robinho, agora preterido.

O técnico chegou a convocar Kaká, de 33 anos, no fim de 2014, quando o meia ainda defendia o São Paulo. Mas desde sua transferência para o futebol dos Estados Unidos, no início de 2015, o meia não havia sido mais chamado. "O Kaká é uma referência assim como foi o Robinho (na Copa América). Dá experiência, maturidade. Ele vai ter um trabalho importante dentro e fora de campo", explicou o técnico.

Dunga também decidiu pelo retorno de outros jogadores renomados, como o atacante Hulk, do Zenit, da Rússia, e o meia Lucas, do Paris Saint-Germain, de França, além do volante Ramires, do Chelsea, da Inglaterra. "Dentro de um estudo feito por nós, vimos que devemos ter uma média de idade da equipe para determinadas competições. A gente tem de encontrar o equilíbrio.Trazer os jogadores mais jovens, e experientes", justificou.

Entre os mais jovens, o técnico optou por nomes que estão se destacando no futebol brasileiro, como o meia santista Lucas Lima e o lateral Douglas Santos, do Atlético-MG. "O Douglas é um jogador que está crescendo muito. Sabe marcar e tem uma boa chegada ao ataque", apontou. "O Lucas Limas é muito efetivo. Tem uma boa condução de bola, troca a velocidade do jogo com capacidade." O goleiro Allison, do Internacional, foi outra novidade.

O treinador explicou ainda a ausência de alguns jogadores como o meia Philippe Coutinho e o zagueiro Tiago Silva, que foi criticado por falhas na Copa América. "Quando se ganha, ganha todo mundo. Quando se perde todos nós somos responsáveis, só estou abrindo o leque de jogadores" avaliou.

A seleção brasileira enfrenta a Costa Rica em Nova Jersey, no dia 5 de setembro, e os Estados Unidos, três dias depois, em Boston. A apresentação dos atletas ocorre no dia 30 deste mês, o que vai fazer com que os times do País percam seus atletas por até três rodadas do Brasileirão (22ª, 23ª, 24ª).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.