Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Dunga entende as vaias e culpa a ansiedade pelo empate

O técnico Dunga estava visivelmente chateado após o empate por 0 a 0 do Brasil contra a Bolívia, no Engenhão, mas afirmou que entende a cobrança da torcida e elegeu o principal culpado pela igualdade sem gols: a ansiedade. Muito vaiado, assim como toda a seleção brasileira, o treinador ainda teve que suportar os gritos de "Adeus, Dunga! Adeus, Dunga!", vindos dos aproximadamente 31 mil pagantes presentes no estádio."É normal (o torcedor pedir sua saída) quando não se joga bem. Se criou uma expectativa e se esperava que o time fosse repetir a atuação que teve contra o Chile", disse Dunga. O treinador e o time brasileiro começaram a ser vaiados ainda aos 24 minutos do primeiro tempo. No fim da primeira etapa, o descontentamento do torcedor já era completo."Não conseguimos repetir a mesma atuação, dar velocidade, usar as laterais, que é o nosso forte. Não conseguimos superar o adversário para chegar até o gol", resumiu o treinador, que apontou o fato de o Brasil tentar repetir o bom desempenho que teve na vitória por 3 a 0 contra o Chile, no último domingo. "Com o passar do tempo vem a ansiedade, começamos a jogar central e isso dificultou muito".Dunga afirmou que tentou corrigir os erros do Brasil no intervalo, pedindo para o time usar mais as laterais, além de tentar o passe de primeira, para evitar a marcação dos bolivianos. Após o jogo, porém, Dunga preferiu insistir na ansiedade como principal motivo pelo nervosismo brasileiro em campo. "A seleção quis mostrar o mesmo futebol do Chile e isso atrapalhou. A cada minuto a ansiedade aumentava", disse.Perguntado sobre as vaias dirigidas especialmente para Ronaldinho Gaúcho, na hora de sua substituição pelo atacante Nilmar, Dunga mostrou compreensão pelas críticas da torcida. "A gente fica triste, é um jogador que tem uma história no futebol mundial, mas quando não se joga bem é normal. Tem que trabalhar, recuperar", afirmou o treinador, lembrando que o jogador ainda não está no melhor de sua forma física.Após a apresentação ruim da seleção brasileira, o time deixou o campo sob os gritos "Vergonha, vergonha, time sem vergonha...". Agora, o Brasil está com 13 pontos nas Eliminatórias Sul-Americanas. Nas próxima rodadas, que ocorrem em outubro, o time brasileiro enfrenta a Venezuela fora de casa e recebe a Colômbia, ainda sem local definido - Fortaleza é uma das opções.

AE, Agencia Estado

11 de setembro de 2008 | 00h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.