Reprodução/Twitter
Reprodução/Twitter

'Dunga hoje é melhor', elogia o novo chefe da delegação brasileira

João Dória Jr. havia criticado o técnico do Brasil na Copa de 2010

Nathalia Garcia, O Estado de S. Paulo

26 de maio de 2015 | 13h05

Se há cinco anos Dunga foi alvo de críticas do chefe da delegação do Brasil na Copa América, João Dória Jr. deixou as rusgas de lado e agora é só elogios ao técnico da seleção brasileira. O empresário e presidente do Grupo de Líderes Empresariais (Lide) utilizou a máxima "o tempo é senhor da razão", em referência à frase dita pelo próprio treinador, para destacar a evolução de Dunga desde a sua primeira passagem à frente da equipe nacional.

"Dunga é um excelente técnico, um ótimo ser humano, sujeito equilibrado. No caso dele, o tempo foi senhor da razão porque o Dunga hoje é melhor, mais experiente, mais articulado, um excelente técnico e vamos trazer o título da Copa América", afirmou.

Em 2010, Dória chamou o técnico da seleção de "teimoso" em sua conta no Twitter devido à ausência de Neymar e Paulo Henrique Ganso entre os jogadores que disputaram a Copa do Mundo da África do Sul. Nesta terça-feira, o empresário minimizou o ocorrido, garantindo que não fez uma crítica pessoal. Ele alega que foi movido pela sua paixão pelo futebol, como torcedor fanático pelo Santos.

Na entrevista coletiva para anúncio da lista de convocados para a Copa América no Chile, Dunga foi lembrado sobre a crítica de Dória e adotou um discurso irônico. "Minha escolha é técnica, sobre jogadores. Se ele me chamou (de teimoso) ou não, não foi o primeiro nem será o último", disse. E arrematou: "O tempo é o senhor da verdade". João Dória Jr. conta que já conversou com o técnico Dunga e que estará junto à comissão técnica durante o amistoso entre Brasil e Honduras no dia 10 de junho, no Beira-Rio, em Porto Alegre.

O convite do presidente da CBF é consonante com objetivos de Marco Polo del Nero para o futuro da entidade. E o empresário vê sua principal missão de forma bem clara. "Ele (Del Nero) quer aumentar o grau de transparência na gestão da seleção e quer profissionalizar cada vez mais a gestão da CBF como um todo, colocar mais próximo o setor privado da gestão da CBF", explica.

Além desse papel como intermediário, Dória destaca seu trabalho como representante da entidade. "Minha função ali será representar o presidente Marco Polo del Nero institucionalmente e diplomaticamente, nas relações com as autoridades chilenas em especial, que é o país que nos recebe, e com os dirigentes das demais seleções da Copa América. O que vou fazer com muito orgulho e muita honra."

A escolha do empresário para chefiar a delegação provocou algumas críticas no meio esportivo, já que o cargo costuma ficar com dirigentes ligados ao futebol. Na Copa de 2010, o líder foi Andrés Sanchez, então presidente do Corinthians. No Mundial do ano passado, o posto ficou com Vilson Ribeiro de Andrade, presidente do Coritiba. Na última Copa América, em 2011, ninguém foi designado.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.