Dunga mantém postura e não alivia reclusão na seleção

Dunga tem uma filosofia de trabalho muito clara. No comando da seleção brasileira, ele defende a privacidade e a concentração como forma de preparação para atingir o objetivo: conquistar o título mundial. E, a cada dia que passa, tem mantido a mesma postura, sem aliviar a reclusão dos jogadores.

ANDRÉ CARDOSO, Agência Estado

19 de junho de 2010 | 09h52

Desde o dia 21 de maio, quando começou a preparação brasileira para a Copa, ainda em Curitiba, os jogadores tiveram apenas duas folgas, ambas antes do início da competição. Assim, o grupo está completando um mês de trabalho, cada vez mais recluso e concentrado na busca do título mundial.

Ao desembarcar na África do Sul, Dunga prometeu que daria folgas quando sentisse que o grupo estivesse precisando. Ele também revelou que gostaria de ter mais contato com o público, mas defendeu a privacidade para ter uma boa preparação. Assim, a concentração brasileira está cada vez mais fechada.

Com os torcedores, houve pequenos contatos em Curitiba e apenas um treino aberto ao público em Johannesburgo. Com a imprensa, o acesso é restrito à protocolar entrevista coletiva que acontece diariamente. E mesmo com a família, o único jeito de matar a saudade é por telefone ou computador.

Por enquanto, os jogadores ainda não reclamaram desse regime fechado. "Vamos fazer o que o professor mandar", repetem, como um mantra. Na realidade, eles admitem aprovar a estratégia de Dunga. "A preparação como está sendo feita agora tem maiores chances de sucesso", afirmou o meia Kaká.

"O Dunga está seguindo uma filosofia de trabalho. Cada treinador tem uma. O Mourinho (técnico português Jose Mourinho) fez a mesma coisa que o Dunga na Inter de Milão e ganhamos tudo", disse o goleiro Julio Cesar, lembrando que o clube italiano conquistou a tríplice coroa nesta temporada.

Neste domingo, o Brasil tem seu segundo desafio na Copa, no jogo contra a Costa do Marfim, a partir das 15h30 (horário de Brasília), no Estádio Soccer City, em Johannesburgo. E, como manda a filosofia de trabalho de Dunga, os jogadores prometem estar concentrados na busca da vitória que dará a vaga antecipada nas oitavas de final.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.