Heuler Andrey/Divulgação<br>
Heuler Andrey/Divulgação

Dunga nega 'lembrança' de Maradona em briga com massagista

Técnico da seleção brasileira esfrega a mão no nariz ao discutir com profissional da Argentina, mas nega que era em referência a drogas

Raphael Ramos - Enviado especial a Cingapura, O Estado de S. Paulo

13 de outubro de 2014 | 08h19

Dunga negou nestasegunda-feira que tenha feito alusão a Maradona e aos problemas do craque comdrogas quando discutiu com o auxiliar-técnico da seleção argentina JorgePautasso durante o Superclássico das Américas, sábado, em Pequim, na China.Imagens de televisão flagraram o treinador do Brasil esfregando a mão no narize gritando: “Tu é igualzinho, né?”.

Ao ser questionadodurante entrevista coletiva no Estádio Nacional de Cingapura, onde a seleçãoenfrenta o Japão nesta terça-feira, se tinha se arrependido de ter insinuadoque integrantes da comissão técnica da Argentina tinham feito uso de drogas, otreinador disse que estava se referindo à poluição de Pequim quando esfregou amão no nariz. “Como tinha muita poluição, tinha o nariz sempre trancado. Quemestá falado que usou droga ou não é você. Nós estamos trabalhando na seleçãobrasileira, e eu acredito que o torcedor brasileiro quer um time competitivo ecom sangue na veia. Se quiser um time mais tranquilo e ponderado, aí dependedas escolhas”, disse.

O treinador aindadiscutiu com o repórter após erro na tradução da pergunta para o inglês. Atradutora afirmou que o questionamento foi feito sobre os atletas da Argentina,e não a integrantes da comissão técnica. “Eu nunca me referi a jogadores”, disseDunga.

Na China, após a vitóriapor 2 a 0 do Brasil, o treinador afirmou que se irritou com o massagista daArgentina Marcelo D'Andrea, conhecido por Daddy. Ele acusou D'Andrea de semprearrumar confusão quando enfrenta o Brasil, independentemente da modalidade. 

Tudo o que sabemos sobre:
futebolseleção brasileiradunga

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.